Governo não renova mandato da Procuradora-Geral da República

Ministra da Justiça disse, em entrevista à TSF, que a "Constituição prevê um mandato longo e um mandato único"

O governo não vai renovar o mandato de Joana Marques Vidal à frente da Procuradoria-Geral da República (PGR). Em entrevista à TSF, a ministra da Justiça referiu que esta é uma decorrência da lei: "A Constituição prevê um mandato longo e um mandato único"

"Na perspetiva de análise jurídica que faço, há um mandato longo e um mandato único", afirmou Francisca Van Dunem.

A titular da Justiça lembra o mandato de antigo procurador Cunha Rodrigues, afirmando que "na altura a grande questão que se colocava era o Procurador-Geral ter um mandato muito longo", estar "há muito tempo no lugar". Cunha Rodrigues foi PGR entre 1984 e 2000.

A Constituição estabelece que "o mandato do Procurador-Geral da República tem a duração de seis anos", sem referência à possibilidade de renovação. O mandato de Joana Marques Vidal termina no próximo mês de outubro.

Questionada pela TSF, Francisca Van Dunem referiu-se também ao diferendo com Angola para afirmar que "o governo obviamente não pode nem deve interferir em matérias que são exclusivamente do foro judicial". Na última segunda-feira, o presidente de Angola, João Lourenço, considerou uma "ofensa" o fato de Portugal não ter transferido para a justiça angolana o caso relativo ao ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, suspeito de ter corrompido um procurador do Ministério Público no âmbito do caso Operação Fizz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.