Governo deixou na gaveta lei da paridade

Executivo devia ter legislado até final do ano paridade na administração direta e indireta, mas só agora prepara proposta. BE insatisfeito

O Governo só agora está a preparar a proposta de lei que estabelece a paridade na administração direta e indireta do Estado, nas instituições de ensino superior públicas e nas associações públicas que devia ter apresentado até 31 de dezembro, como admitiu a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa. Para o Bloco de Esquerda, que tinha acordado com o executivo socialista esse prazo, "a proposta já devia estar preparada há muito tempo".

Com a lei n.º 62/2017, aprovada em 23 de junho de 2017, o executivo socialista definiu um "regime da representação equilibrada entre mulheres e homens nos órgãos de administração e de fiscalização das entidades do setor público empresarial e das empresas cotadas em bolsa".

Ficou então de fora a administração pública. Para o BE, era ponto de honra que o Estado também fosse incluído. "O nosso projeto argumentava que o Estado tinha de ser o primeiro a dar o exemplo", explicou ao DN a deputada Sandra Cunha.

Sem avançar logo para a administração pública, o Governo negociou com o BE e comprometeu-se com uma data em letra de lei.

No artigo 13.º da proposta aprovada em junho está bem definido o prazo: "Até 31 de dezembro de 2017, o Governo apresenta uma proposta de lei sobre o regime de representação equilibrada entre mulheres e homens, aplicando o limiar mínimo de 40% na administração direta e indireta do Estado e nas instituições de ensino superior públicas, e o limiar mínimo de 33,3% nas associações públicas."

Na pergunta dirigida ao Governo, Sandra Cunha recordou que na última reunião do Conselho de Ministros do ano de 2017, realizada a 21 de dezembro, "não resultou qualquer iniciativa ou decisão" para legislar sobre a paridade na administração pública.

Já a 8 de janeiro deste ano, o BE fez seguir uma pergunta para o gabinete da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, que passou a tutelar a Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade - cuja titular é agora Rosa Monteiro - depois da última remodelação governamental de outubro.

Perguntava Sandra Cunha, qual era "o ponto da situação relativo ao cumprimento" da data definida e quando é que o Governo apresentaria a proposta da nova lei. A resposta chegou na última sexta-feira e ficou-se pela metade, não satisfazendo os bloquistas.

"Está em fase de preparação pelo Governo a proposta de lei que estabelece o regime de representação equilibrada entre mulheres e homens na administração direta e indireta do Estado, nas instituições de ensino superior públicas e nas associações públicas", respondeu Maria Manuel Leitão Marques.

"Sabe mesmo a pouco", reagiu ao DN Sandra Cunha. "Mais que o compromisso, é o cumprimento da lei que está em causa", justificou a deputada, que notou que a ministra deixou por responder quando conta apresentar a nova proposta de lei.

"O próximo passo será dado no dia 20", antecipou Sandra Cunha, quando Maria Manuel Leitão Marques se deslocar ao Parlamento, para uma audição parlamentar em sede de comissão. "Tencionamos questionar diretamente a ministra relativamente a prazos", avisou.

Só falta ponderação da Cresap

Em junho, por "razões de operacionalização", a lei só considerou o setor empresarial do Estado e as empresas cotadas em bolsa. A deputada explicou que "o Governo comprometeu-se então a trabalhar a melhor forma de aplicação da paridade com as regras da Cresap", a Comissão de Recrutamento e Seleção para Administração Pública que avalia o mérito dos candidatos a gestores públicos e fixa uma lista de três possíveis candidatos a um determinado cargo.

"Desde o verão que já houve tempo para fazer uma proposta, até porque existe já uma boa base de trabalho, que é o projeto de lei do BE. Só faltava a ponderação da questão da Cresap", defendeu Sandra Cunha.

A lei aprovada em junho obriga a que a administração das empresas do setor público tenha pelo menos um terço de mulheres, desde janeiro passado. Às empresas cotadas em bolsa foi dado mais tempo: desde janeiro devem ter 20%, e garantir 33,3% no início de 2020.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?