Falta de financiamento motivou saída do diretor da cibersegurança

Em pleno simulacro de um ciberataque, foi anunciado o pedido de demissão do professor Pedro Veiga, o diretor do CNCS

Falta de verbas para contratação de peritos e aquisição de equipamento terão sido a causa da demissão de Pedro Veiga, o diretor do Centro Nacional de Cibersegurança. O professor, que liderava o Centro desde 2016, bateu a porta com estrondo, em pleno simulacro, coordenado pelo CNCS, de um ciberataque, envolvendo várias entidades do Estado.

O DN tentou, sem sucesso, contactar Pedro Veiga, um pioneiro da Internet em Portugal, professor no Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCCN), que, à hora em que foi conhecida a sua demissão era um dos oradores de uma conferência da CGD sobre "os desafios da União Europeia", que decorria na sede em Lisboa.

De acordo com fontes que têm acompanhado a atividade do CNCS, Pedro Veiga tinha manifestado em privado a sua frustração por não conseguir capacitar o centro ao nível que entendia ser adequado, quer a nível de equipamento de deteção e resposta a ameaças, quer a nível de peritos. "Os valores permitidos para a contratação de técnicos ficavam muito abaixo daquilo que podem e recebem no setor privado", adiantou uma dessas fontes. Desde que tomou posse, Pedro veiga viu fugir vários quadros altamente qualificados.

Por parte da tutela governamental, fonte oficial do gabinete da ministra-adjunta, Maria Manuel Leitão Marques, não quis comentar a invocada falta de resposta ao financiamento do CNCS, frisando que Pedro Veiga "saiu a seu pedido" e que "não teve nada a ver com o seu trabalho".

A nomeação do substituto será anunciada brevemente, de acordo com o gabinete de Maria Manuel Leitão Marques. A ministra da Presidência, segundo a mesma informação, agradeceu "o contributo inestimável de Pedro Veiga para o trabalho nesta área, ao longo destes dois anos".

A decisão do professor surgiu no dia em que teve início o primeiro exercício a nível nacional de cibersegurança, em Lisboa. Até esta quinta-feira. o CNCS está a testar o "grau de preparação" de várias entidades públicas e privadas a um ciberataque. Em declarações à agência Lusa, em antecipação do exercício, Pedro Veiga tinha afirmado que iria ter como alvo os setores da energia, transportes, banca, saúde e tratamento e distribuição de água. O objetivo "é testar o grau de preparação das entidades que vão participar no tratamento de incidentes de cibersegurança", explicou na ocasião Pedro Veiga.

O CNCS tem por missão "a deteção, reação e recuperação de situações que, face à iminência ou ocorrência de incidentes ou ciberataques, ponham em causa o funcionamento das infraestruturas críticas e os interesses nacionais", segundo se pode ler no site oficial. É a autoridade nacional competente em matéria de cibersegurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.