Educação Física "não baixa a média do secundário"

Projeto do Bloco que devolve peso à disciplina é discutido hoje. Apoio dos pais depende de mexidas no sistema de acesso ao superior

No dia em que o Bloco de Esquerda apresenta na Assembleia da República um projeto de resolução destinado a devolver à Educação Física o peso na classificação final do secundário, a organização que agrega os professores da área garante que os receios de que esse passo possa penalizar alguns alunos são refutados pela realidade dos números, que dizem que a disciplina "não baixa a média" final.

"Se formos analisar os dados da avaliação, a [média com a] Educação Física, na maior parte dos casos, fica igual ou pode eventualmente aumentar alguns pontos", diz ao DN Nuno Fialho, vice-presidente do Conselho Nacional das Associações de Professores e Profissionais de Educação Física (CNAPEF). "O que não acontece com outras disciplinas, como a Matemática, que tem uma influência bastante maior", acrescenta.

Outra preocupação frequente, para a qual a CNAPEF também não encontra sustentação, é a eventual penalização dos alunos com menos aptidões para a prática desportiva face aos mais talentosos. "Essa teoria não é comprovada por qualquer dado científico", diz, defendendo que "a questão do jeito" não existe e que é "o trabalho" que dita a nota do aluno. "Ninguém nasce matemático, cientista ou atleta", lembra. "Mas neste caso não estamos a falar de treinar atletas mas de educar para a atividade física."

Uma educação que considera ser particularmente relevante no ensino secundário, "por existirem dados que apontam para um aumento do sedentarismo na passagem do nono para o décimo ano, em particular entre as raparigas". E que considera ser menorizada se a disciplina não tiver estatuto idêntico às restantes: "Quando se tem um sistema que valoriza determinadas disciplinas no acesso ao ensino superior, isso vai fazer que muitos alunos não se apliquem tanto."

A CNAPEF tem criticado o que classifica de "ausência de informação" por parte do Ministério da Educação, depois de em 2016 o secretário de Estado, João Costa, ter dado indicações de que o regresso da disciplina ao estatuto que lhe foi retirado em 2012, pelo então ministro Nuno Crato, seria uma realidade "já neste ano letivo de 2017--18". E nesse sentido espera que a discussão no Parlamento do projeto do Bloco sirva "pelo menos para clarificar a matéria".

Os professores de Educação Física têm debatido com diversas entidades, desde o Comité Olímpico à Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), garantindo não terem recebido "sinais contrários de ninguém". No entanto, contactado pelo DN, Jorge Ascenção, presidente da Confap, esclarece que, embora as partes "tenham de facto assinado um documento conjunto" sobre a matéria, o apoio dos pais foi dado "numa lógica de revisão, que é necessária e deveria também ser discutida na Assembleia da República, das regras de acesso ao superior. Com as regras atuais, não faz sentido que a média conte para certas áreas, tal como a Matemática não conta para as Humanísticas", ilustra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.