Dezenas mergulham na praia de Matosinhos para começar o ano

Os alertas para ondas superiores a quatro metros não demoveram os banhistas

Dezenas de pessoas quiseram hoje começar o ano de 2018 com um mergulho no mar na praia de Matosinhos, porque é tradição ou uma nova experiência, para limpar o corpo e a alma de 2017 e porque a água até não estava "assim tão fria".

"O mar é renovador de energia e é uma forma de começar o ano em grande forma", contou Tânia Leandro, 36 anos, depois do primeiro mergulho na água que estava "ótima" e o mar "calmo", apesar de alguma ondulação.

O alerta amarelo do Instituo Português do Mar e da Atmosfera, por causa das ondas de quatro a cinco metros, e os avisos da Autoridade Marítima Nacional não demoveram dezenas de corajosos que, com um mergulho no mar, quiseram começar o novo ano, sob o olhar atento de duas equipas do Sistema de Salvamento Balnear de Matosinhos.

Para o mergulho começaram a chegar à praia a partir das 10:00, até porque havia um evento criado na rede social Facebook para o efeito, embora nem todos se conhecessem.

Escolheram o melhor sítio para pousar a toalha e tirar a roupa e seguiram em corrida para a água do mar que até "está boa". Um, dois mergulhos, algumas gargalhadas, tiraram uma 'selfie' e regressaram à toalha rapidamente para secar e vestir, até porque, com o vento, "está mais frio cá fora", disseram.

"Está melhor dentro de água que cá fora", confessou Anabela Sampaio, 42 anos, que, com um grupo de amigas, foi pela primeira vez à praia de Matosinhos pela "experiência e aventura" e porque este "batismo" é a melhor forma de "começar o novo ano com resoluções novas e vida nova".

Fazer coisas novas e "sair da zona de conforto" foi também o que levou Isabel Abreu e Raquel Pires até ao mar este ano pela primeira vez, tal como Isaura Costa que foi para fazer "companhia" a um grupo de amigos e até pensou que a água "ia estar mais fria".

José Lopes, 43 anos, tem tido alguns "contratempos e azares" e, por isso, pela primeira vez, quis que 2018 arrancasse para um "novo ciclo" na água que, disse, "está ótima".

Pela terceira vez, Ana Lopes regressou à praia de Matosinhos pela "tradição" de começar o ano no sítio que mais gosta, acompanhada de um grupo de "amigos e amigos de amigos" que assim, em "ambiente de convívio", partilham a "aventura" do primeiro mergulho do ano.

A Autoridade Marítima Nacional (AMN) aconselhou a população que se abstenha de atividades ou passeios junto à costa e os tradicionais banhos de final do ano, devido às previsões de ondulação forte até à próxima terça-feira.

VEJA AQUI A MESMA TRADIÇÃO EM CARCAVELOS

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.