De Portugal ao México e ao Brasil

A vida de António Champalimaud em resumo

Nasce a 19.03.1918

> Foi o primeiro filho de Anna Sommer Champalimaud e de Carlos Montez Champalimaud, médico militar, grande proprietário e produtor de vinhos do Douro. Nasceu em Lisboa, na Lapa. O pai era descendente de fidalgos da Casa Real, a mãe neta de um barão alemão radicado em Lisboa
e comerciante de ferro.

Estuda com os jesuítas

> Vive até aos 10 anos na Quinta da Marinha, entre a terra e o mar. Em 1928, segue para um colégio de jesuítas, na Galiza. "Deram-me a capacidade de me hierarquizar e de prestar atenção ao detalhe", dizia. Em 1993 vem para o Colégio Académico, em Lisboa, onde se prepara para a Faculdade de Ciências, no curso de Ciências de Físico-Química.

A morte do pai

> No dia 5 de maio de 1937, Carlos Montez Champalimaud morre e deixa os negócios em situação difícil. O filho António deixa a faculdade
e compromete-se a solucionar
os problemas sem colocar em causa os bens familiares. Dinamiza a exportação do vinho do Porto e é responsável pelos primeiros projetos de urbanização da Quinta da Marinha, segundo os planos do pai de 1920.

Casamento

> Em 1941 casa com Maria Cristina de Mello, filha de Manuel de Mello, e têm sete filhos. Separam-se no final dos anos de 1950.

Herança

> Aos 24 anos toma posse da administração da Empresa de Cimentos de Leiria, do tio Henrique Sommer, que morre em 1944 e lhe deixa grande parte dos seus bens.

Siderurgia: o sonho

> Em 1954 funda a Siderurgia Nacional, inaugurada em 1961. Um sonho que o filho Luís diz ter mais de 20 anos. "Em 1942 o meu pai disse a um amigo - vamos construir uma siderurgia." Faz negócios em Angola e Moçambique e torna-se o maior acionista do Banco Pinto & Sotto Mayor, adquire a Confiança e participa na Mundial.

O_Caso Sommer

> Em 1957 começa o longo processo judicial interposto pelos irmãos por causa da herança do tio Henrique. Foram 16 anos. Em 1969 é emitido um mandado judicial e vai para o México até 1973. É ilibado por todas as instâncias e juízes que o julgaram, incluindo os do Supremo Tribunal de Justiça.

A revolução

> A 30 de abril de 1974, António Champalimaud e outros empresários são recebidos por Spínola, na reunião critica o regime anterior e pede reformas rápidas e necessárias de natureza económica e financeira. Proença de Carvalho diz que era um liberal, na verdadeira aceção da palavra.

As nacionalizações

> No 11 de março de 1975 está em Paris, João Cravinho diz-lhe que a nacionalização da siderurgia está iminente. Todos os bens pessoais são congelados. Vai para o_Brasil, onde estava a construir uma fábrica de cimento. Compra uma fazenda e dedica-se à agropecuária.
"A primeira razão era dar comida
à família se a fábrica não tivesse sucesso."

O regresso a Portugal

> Em 1992 vem a Portugal para participar nas privatizações. Adquire 51% da Mundial Confiança. O governo não o deixa recuperar as empresas de cimento. Não quer ir
à siderurgia. Resgata a maioria
do Totta e do Crédito Predial Português ao Santander. Em 1999, vende o grupo financeiro aos espanhóis.

Morre em 2004

> Nunca regressou definitivamente a Portugal._Vinha cá no_Natal para estar com a família, mas até isso começava a incomodá-lo. "Dizia que as pessoas só falavam do passado e ele queria discutir com alguém que lhe falasse do futuro", conta-nos Luís. O regresso dá-se três a quatro meses antes de morrer, já doente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.