De Portugal ao México e ao Brasil

A vida de António Champalimaud em resumo

Nasce a 19.03.1918

> Foi o primeiro filho de Anna Sommer Champalimaud e de Carlos Montez Champalimaud, médico militar, grande proprietário e produtor de vinhos do Douro. Nasceu em Lisboa, na Lapa. O pai era descendente de fidalgos da Casa Real, a mãe neta de um barão alemão radicado em Lisboa
e comerciante de ferro.

Estuda com os jesuítas

> Vive até aos 10 anos na Quinta da Marinha, entre a terra e o mar. Em 1928, segue para um colégio de jesuítas, na Galiza. "Deram-me a capacidade de me hierarquizar e de prestar atenção ao detalhe", dizia. Em 1993 vem para o Colégio Académico, em Lisboa, onde se prepara para a Faculdade de Ciências, no curso de Ciências de Físico-Química.

A morte do pai

> No dia 5 de maio de 1937, Carlos Montez Champalimaud morre e deixa os negócios em situação difícil. O filho António deixa a faculdade
e compromete-se a solucionar
os problemas sem colocar em causa os bens familiares. Dinamiza a exportação do vinho do Porto e é responsável pelos primeiros projetos de urbanização da Quinta da Marinha, segundo os planos do pai de 1920.

Casamento

> Em 1941 casa com Maria Cristina de Mello, filha de Manuel de Mello, e têm sete filhos. Separam-se no final dos anos de 1950.

Herança

> Aos 24 anos toma posse da administração da Empresa de Cimentos de Leiria, do tio Henrique Sommer, que morre em 1944 e lhe deixa grande parte dos seus bens.

Siderurgia: o sonho

> Em 1954 funda a Siderurgia Nacional, inaugurada em 1961. Um sonho que o filho Luís diz ter mais de 20 anos. "Em 1942 o meu pai disse a um amigo - vamos construir uma siderurgia." Faz negócios em Angola e Moçambique e torna-se o maior acionista do Banco Pinto & Sotto Mayor, adquire a Confiança e participa na Mundial.

O_Caso Sommer

> Em 1957 começa o longo processo judicial interposto pelos irmãos por causa da herança do tio Henrique. Foram 16 anos. Em 1969 é emitido um mandado judicial e vai para o México até 1973. É ilibado por todas as instâncias e juízes que o julgaram, incluindo os do Supremo Tribunal de Justiça.

A revolução

> A 30 de abril de 1974, António Champalimaud e outros empresários são recebidos por Spínola, na reunião critica o regime anterior e pede reformas rápidas e necessárias de natureza económica e financeira. Proença de Carvalho diz que era um liberal, na verdadeira aceção da palavra.

As nacionalizações

> No 11 de março de 1975 está em Paris, João Cravinho diz-lhe que a nacionalização da siderurgia está iminente. Todos os bens pessoais são congelados. Vai para o_Brasil, onde estava a construir uma fábrica de cimento. Compra uma fazenda e dedica-se à agropecuária.
"A primeira razão era dar comida
à família se a fábrica não tivesse sucesso."

O regresso a Portugal

> Em 1992 vem a Portugal para participar nas privatizações. Adquire 51% da Mundial Confiança. O governo não o deixa recuperar as empresas de cimento. Não quer ir
à siderurgia. Resgata a maioria
do Totta e do Crédito Predial Português ao Santander. Em 1999, vende o grupo financeiro aos espanhóis.

Morre em 2004

> Nunca regressou definitivamente a Portugal._Vinha cá no_Natal para estar com a família, mas até isso começava a incomodá-lo. "Dizia que as pessoas só falavam do passado e ele queria discutir com alguém que lhe falasse do futuro", conta-nos Luís. O regresso dá-se três a quatro meses antes de morrer, já doente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.