Cinco funcionários da Segurança Social acusados de corrupção

Arguidos atribuíam números de segurança social a cidadãos oriundos da Índia, Paquistão e Bangladesh

O Ministério Público (MP) acusou 23 arguidos, incluindo cinco funcionários da Segurança Social, num processo de corrupção relacionado com a atribuição do número da segurança social a cidadãos oriundos sobretudo da Índia, Paquistão e Bangladesh.

Na página da internet, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL) adianta que o MP requereu o julgamento, em tribunal coletivo, dos 23 arguidos pelos crimes de corrupção passiva agravada, corrupção ativa, abuso de poder, acesso ilegítimo, falsidade informática e detenção de arma proibida.

Segundo a PGDL, "está suficientemente indiciado" que os cinco funcionários da Segurança Social dedicaram-se, entre janeiro de 2015 até 27 de junho de 2017, a criar números de identificação da Segurança Social (NISS) para cidadãos estrangeiros, sobretudo oriundos de países indostânicos, ou seja, países como Índia, Paquistão e Bangladesh, a troco do pagamento de quantias monetárias.

Para o efeito, refere o MP, angariaram intermediários que estabeleciam o contacto entre os estrangeiros que precisavam de NISS para a sua legalização e os funcionários da Segurança Social, auferindo também tais intermediários das vantagens económicas.

A PGDL indica também que pelo menos um dos funcionários cedia informação sobre contribuintes a um escritório de solicitadoria, a troco de pagamento de quantias em dinheiro.

A PGDL sublinha que foi requerida a perda do produto do crime num valor superior a um milhão de euros.

Cinco dos 23 arguidos encontram-se sujeitos às medidas de coação de suspensão do exercício de funções, proibição de se ausentar do país, obrigação de se apresentarem no posto policial mais próximo da residência e proibição de contactos com os restantes arguidos.

O inquérito foi dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, com a coadjuvação da Polícia Judiciária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...