Cinco anos de pena suspensa por 86 crimes de abuso sexual

Tribunal de Viana do Castelo condenou explicador de matemática por abusos sexuais de crianças e adolescentes ao longo de dois anos

Um explicador de matemática e professor de karaté foi esta sexta-feira condenado a cinco anos de prisão com pena suspensa por 82 crimes de abuso sexual de crianças e quatro crimes de ato sexual com adolescentes, num acórdão do Tribunal de Viana de Castelo em que um dos três juízes que integrou o coletivo votou vencido, por discordar da suspensão da pena. Uma advogada que representa cinco dos menores também considerou que perante o elevado número de crimes provados e a pena decidida para cada um dos crimes com crianças - que foi 1 ano e quatro meses por cada - a pena de cinco anos em cúmulo jurídico, e suspensa, é insuficiente e causa "frustração e indignação social."

O homem fica também sujeito ao regime de prova, com acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Além disso, ficou proibido de participar em atividades lúdicas com menores de 16 anos de ambos os sexos.

O arguido, de 41 anos, sofre de uma disfunção que o leva a fantasias homossexuais com rapazes, disse a juíza Cristina Fonseca que leu a súmula do acórdão. Apesar de considerar serem graves os atos cometidos, a magistrada realçou que se trata do limiar mínimo dos atos sexuais de relevo - o arguido fazia carícias nos pénis dos menores. Os juízes tiveram em conta que não procurou outro tipo de atos e acabaram por deixar de fora outros contactos, nas pernas ou no peito, por não serem classificados como crime, apesar de censuráveis. Estar arrependido e ter o apoio da família foram também atenuantes.

O homem estava acusado de 159 crimes de abuso sexual de criança e oito atos sexuais com adolescentes, com 11 menores a serem identificados como vítimas. Foi absolvido de 80 destes crimes. Os atos ocorreram entre 2013 e 2015 e só foram travados quando Polícia Judiciária atuou, após a denúncia dos pais de uma criança em outubro de 2015. No mês seguinte, o indivíduo foi detido.

Nas alegações finais, o Ministério Público (MP) tinha pedido pena de prisão suspensa, por cinco anos, acompanhada de regime de prova, mas três dos cinco advogados de defesa reclamaram uma pena de prisão efetiva. Só o MP pode apresentar recurso, além o arguido.

O tribunal decidiu ainda obrigar o arguido - que foi declarado insolvente - a pagar indemnizações a dez menores, com valores entre os 400 e os 3620 euros.

O homem, casado e pai de uma filha, justificou que "desde a adolescência, em função do seu histórico vivencial detém atração pela manifestação de afetos e proximidade por rapazes no início da adolescência".

Nas quatro sessões do julgamento, o coletivo de juízes ouviu várias testemunhas, entre elas, as 19 indicadas pelo Ministério Público, enquanto a defesa dos 11 menores, a cargo de cinco advogados, se baseou nas declarações para memória futura, efetuadas pelos jovens durante a fase de inquérito.

A acusação, datada de 7 de setembro de 2017, diz que o "arguido atuou sempre de forma livre, deliberada e conscientemente, com perfeito conhecimento das idades dos menores e com intenção de satisfazer os seus instintos libidinosos, bem sabendo que estes, em razão da sua idade, não tinham a capacidade e o discernimento necessários a uma livre decisão e aquele relacionamento sexual prejudicava o seu normal desenvolvimento". Os crimes ocorreram na casa do arguido, durante as explicações de matemática, nas aulas de karaté que o homem ministrava em dois espaços de Viana do Castelo e em passeios, que o próprio promovia com os menores.

Inicialmente o processo incluía 12 vítimas, mas uma das queixas foi, entretanto, arquivada por decisão da mãe do menor.

Os crimes de abuso sexual de criança são punidos com pena de prisão até oito anos e os crimes de ato sexual com adolescente com pena de prisão até dois anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.