CDS-PP preocupado com economia portuguesa a "perder gás"

Comissão Europeia estima que a economia portuguesa cresça menos este ano do que em 2017

O porta-voz do CDS-PP, João Almeida, considerou hoje preocupante a confirmação de que o crescimento da economia portuguesa está a "perder gás" e defendeu incentivos ao investimento privado para contrariar a tendência.

"Estes indicadores são preocupantes porque sabemos que depois de passada a crise é fundamental ter um crescimento sustentado. O que vemos é que esse crescimento não só não é sustentado como está a perder gás", afirmou João Almeida, em declarações aos jornalistas, no parlamento.

A Comissão Europeia estima que a economia portuguesa cresça menos este ano do que em 2017, subindo 2,2% contra os 2,7% que antecipa para o ano passado, mantendo-se em linha com o previsto pelo Governo, segundo as previsões de inverno hoje divulgadas.

O deputado destacou que Portugal "vai divergir da média europeia e da média da zona euro" e sustentou que a redução do ritmo de crescimento "não é uma inevitabilidade".

João Almeida frisou que "ainda ontem [terça-feira] o senhor Presidente da República disse que a insuficiência do Orçamento do Estado para este ano era o apoio ao investimento".

"Sem incentivo ao investimento privado, sem retomar a reforma do IRC que vinha sendo feita pelo governo anterior estamos condenados a ter crescimentos parecidos com o que tínhamos antes da crise e isso não pode acontecer", defendeu.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.