Bloco pressiona Governo por causa de português preso em Timor

David Damião Justino está preso em Díli, acusado de ter ajudado à fuga de Díli do casal português Tiago e Fong Fong Guerra. Bloco faz perguntas ao MNE

"Que diligências tomou e tenciona o Governo tomar para garantir que todos os direitos fundamentais deste cidadão português foram e serão respeitados?"

Esta é uma das duas perguntas que o deputado do BE José Manuel Pureza dirigiu, por escrito, ao Governo (ministério dos Negócios Estrangeiros) por causa da prisão preventiva em Díli do cidadão português David Damião Justino. A outra é: ""Tem o Governo acompanhado a situação de detenção do cidadão português David Damião?"

Este estará suspeito de ter ajudado à fuga do casal Tiago Guerra e Fong Fong Guerra, ambos portugueses, que estavam presos em Díli, condenados a oito anos de prisão em Díli (o caso ainda estava em recurso). Ambos fugiram para a Austrália, onde chegaram, de barco, a 9 de novembro, tendo chegado a Lisboa a 25 de novembro, com passaportes passados pelas autoridades portuguesas (os passaportes originais tinham sido retidos pelas autoridades timorenses).

Para José Manuel Pureza, "o Estado Português procurar informar-se, e dessa forma garantir, que o regime da privação da liberdade a que todos os cidadãos e cidadãs portugueses(as) se encontram submetidos(as) não só em solo nacional, mas também, como é o caso que motiva esta pergunta, no estrangeiro é cumprido no escrupuloso respeito dos mais elementares direitos humanos".

"Salvaguardando os princípios da plena independência, respeito pela soberania, não ingerência nos assuntos internos e reciprocidade de interesses que devem nortear as relações bilaterais entre dois Estados independentes, deve o Estado português, concomitantemente, acompanhar de perto a situação dos seus cidadãos e das suas cidadãs", escreveu ainda, na pergunta dirigida ao MNE.

Assim, "as recentes notícias veiculadas em Portugal relativas ao processo que levou à detenção de David Damião Justino e ao motivo dessa detenção, merecem a apreensão do Bloco de Esquerda e devem motivar um cabal esclarecimento público, sem que isso fira, bem pelo contrário, o estreito cumprimento dos princípios basilares acima referidos".

O caso já representa um dos maiores embaraços - porventura o maior - nas relações diplomáticas entre Portugal e Timor-Leste. O governo timorense não gostou de saber que Tiago e Fong Fong tinham fugido com passaportes passados pela embaixada lusa em Díli.

"Estou preocupado com a própria atitude da embaixada portuguesa ter emitido os passaportes portugueses. Isso pode ferir as relações entre dois países irmãos, e dentro da CPLP. Temos que gerir como deve ser esta situação", disse à Lusa o primeiro-ministro timorense, Mari Alkatiri, em meados de dezembro passado.Alkatiri expressou uma preocupação que na verdade mais parecia uma ameaça velada: "A partir de agora se houver algum português que seja suspeito de qualquer coisa dificilmente terá Termo de Identidade e Residência. Porque há perigo de fuga, tem que ir a prisão preventiva e seria péssimo que isso acontecesse. Essa é a minha maior preocupação: começar a colocar cidadãos portugueses como alvo de uma perseguição da justiça."

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.