Balsemão revela que Marques Mendes lhe prometeu a privatização da Agência Lusa

Fundador da Impresa afirma que só adquiriu 22% do capital da agência de notícias após informação do atual comentador da SIC

O fundador do grupo Impresa, Francisco Pinto Balsemão, revelou hoje que adquiriu cerca de 22% do capital da agência de notícias Lusa em 2000 depois de Luís Marques Mendes lhe ter dito que a empresa ia ser privatizada.

"O Governo na altura afirmou-nos que a Lusa iria ser privatizada, o que poderá ser confirmado pelo então ministro Luís Marques Mendes", informou Balsemão numa mensagem escrita enviada a propósito de um debate parlamentar sobre a agência de notícias portuguesa e lida por Edite Estrela, a deputada socialista que preside a Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto.

"Desde então nada aconteceu e agora é claro que a Lusa não vai ser privatizada", salientou Balsemão, depois de ter revelado que pagou 3,2 milhões de euros pelos 22,35% que a Impresa, dona da Sic, detém na Lusa desde dezembro de 2000.

Refira-se, porém, que Marques Mendes só assumiu a pasta dos Assuntos Parlamentares do Governo PSD/CDS liderado por Durão Barroso que entrou em funções em abril de 2002.

Certo é que Pinto Balsemão realçou na missiva para a falta de retorno deste investimento, revelando que desde então a Impresa recebeu "apenas" 185 mil euros de dividendos, ou seja, 5,8% do capital investido.

E sublinhou as "muitas horas" que a Lusa ocupa ao representante da Impresa no Conselho de Administração da agência noticiosa, além do Conselho de Administração e Comissão Executiva da Impresa.

De resto, Balsemão afirmou que, agora, "a Lusa pretende vender o edifício onde está instalada", considerando esta uma boa notícia.

"Não queremos ganhar dinheiro com esta situação, queremos apenas recuperar o dinheiro que investimos", realçou.

Mas a presidente do Conselho de Administração da Lusa, Teresa Marques, presente no debate parlamentar, contrariou esta informação, revelando que o que esteve em cima da mesa era a venda do edifício ou a renovação do edifício.

"A decisão da tutela foi de usar o edifício", esclareceu, acrescentando que vai haver um investimento na renovação das instalações da sede da agência em Lisboa.

A estrutura acionista da Lusa é composta pela participação estatal maioritária (50,14%), e pela posição dos privados: Global Media (23,36%), Impresa (22,35%), a antiga agência Notícias de Portugal (2,72%), o Público (1,38%), a RTP (0,03%), o Primeiro de Janeiro (0,01%) e o Diário do Minho (0,01%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.