Balsemão revela que Marques Mendes lhe prometeu a privatização da Agência Lusa

Fundador da Impresa afirma que só adquiriu 22% do capital da agência de notícias após informação do atual comentador da SIC

O fundador do grupo Impresa, Francisco Pinto Balsemão, revelou hoje que adquiriu cerca de 22% do capital da agência de notícias Lusa em 2000 depois de Luís Marques Mendes lhe ter dito que a empresa ia ser privatizada.

"O Governo na altura afirmou-nos que a Lusa iria ser privatizada, o que poderá ser confirmado pelo então ministro Luís Marques Mendes", informou Balsemão numa mensagem escrita enviada a propósito de um debate parlamentar sobre a agência de notícias portuguesa e lida por Edite Estrela, a deputada socialista que preside a Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto.

"Desde então nada aconteceu e agora é claro que a Lusa não vai ser privatizada", salientou Balsemão, depois de ter revelado que pagou 3,2 milhões de euros pelos 22,35% que a Impresa, dona da Sic, detém na Lusa desde dezembro de 2000.

Refira-se, porém, que Marques Mendes só assumiu a pasta dos Assuntos Parlamentares do Governo PSD/CDS liderado por Durão Barroso que entrou em funções em abril de 2002.

Certo é que Pinto Balsemão realçou na missiva para a falta de retorno deste investimento, revelando que desde então a Impresa recebeu "apenas" 185 mil euros de dividendos, ou seja, 5,8% do capital investido.

E sublinhou as "muitas horas" que a Lusa ocupa ao representante da Impresa no Conselho de Administração da agência noticiosa, além do Conselho de Administração e Comissão Executiva da Impresa.

De resto, Balsemão afirmou que, agora, "a Lusa pretende vender o edifício onde está instalada", considerando esta uma boa notícia.

"Não queremos ganhar dinheiro com esta situação, queremos apenas recuperar o dinheiro que investimos", realçou.

Mas a presidente do Conselho de Administração da Lusa, Teresa Marques, presente no debate parlamentar, contrariou esta informação, revelando que o que esteve em cima da mesa era a venda do edifício ou a renovação do edifício.

"A decisão da tutela foi de usar o edifício", esclareceu, acrescentando que vai haver um investimento na renovação das instalações da sede da agência em Lisboa.

A estrutura acionista da Lusa é composta pela participação estatal maioritária (50,14%), e pela posição dos privados: Global Media (23,36%), Impresa (22,35%), a antiga agência Notícias de Portugal (2,72%), o Público (1,38%), a RTP (0,03%), o Primeiro de Janeiro (0,01%) e o Diário do Minho (0,01%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.