Aumento de vagas nas creches de Lisboa só se notará em 2020

Autarquia prometeu reforço de mil lugares durante atual mandato, mas obras e concursos ainda estão a ser lançados. Apenas abriu uma creche com 40 lugares e já está lotada.

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) assumiu, em novembro do ano passado, o compromisso de reforçar em mil lugares as vagas nas creches da capital ao longo do presente mandato autárquico mas só abriu um novo estabelecimento, em Alfama. E está totalmente preenchido. Na verdade, disse ao DN o vereador do Bloco de Esquerda Ricardo Robles, que tem o pelouro da Educação, até foi criado um lugar adicional, para um total de 41. Há obras em marcha e concursos para lançar em breve, mas em termos de impacto para as famílias lisboetas o reforço só se notará de forma significativa em 2020, disse.

"Esse novo equipamento, que foi aberto em Alfama há cerca de três semanas, corresponde a um processo que já estava mais avançado", explicou. "É muito importante porque é numa zona onde existem muitas carências, onde existe uma forte pressão turística que afasta os moradores, e este tipo de equipamento ajuda a fixar a população", acrescentou. Ainda por lançar, com o vereador a apontar "para o final deste primeiro semestre", estão os concursos para quatro creches nas zonas de Benfica, Parque das Nações e Beato. "Serão creches modulares do tipo Bê-á-Bá, com uma rapidez de construção relativamente acelerada", contou. Dois dos equipamentos terão capacidade para 84 crianças e os restantes para 42, num total de 252 lugares.

Mas mesmo com as perspetivas de uma construção rápida não será tão cedo que estas vagas ficarão disponíveis. "A estimativa que temos é de que, tendo o segundo semestre preenchido com o concurso, 2019 seja o ano da execução", disse, admitindo que a inauguração dos equipamentos não deverá acontecer antes de 2020.

Além destas creches, a autarquia prepara também "empreitadas autónomas nos Olivais, Santos, Convento do Desagravo e São Vicente", podendo vir a agendar novas intervenção em função das necessidades que forem sendo sinalizadas. "Temos este objetivo das mil vagas durante este mandato, mas durante o segundo ano [a partir do final de 2018] este será reavaliado e provavelmente ampliado", explicou.

Todas estas creches serão administradas por instituições de solidariedade social, já que, nos termos da lei, a câmara só pode responsabilizar-se pela infraestrutura.

Pré-escolar em análise

Lisboa também tem sentido, mais do que o resto do país, dificuldades para assegurar a cobertura da oferta do pré-escolar, que o governo prometeu tornar universal para os três anos de idade até 2019.

Nos últimos dois anos letivos, o Ministério da Educação aprovou reforços de 100 e de 70 salas na Área Metropolitana de Lisboa, que acrescentaram cerca de três mil vagas. No entanto, e com as matrículas a arrancar já neste domingo (ver caixa), continuam a existir, segundo as associações de pais, bolsas de carência da oferta na cidade. Nomeadamente no parque das Nações e em Benfica.

Sobre o reforço da rede para o próximo ano letivo, o Ministério da Educação garante que essa é uma das "prioridades" do governo e que nos dois últimos anos "foi possível abrir mais cerca de 200 salas de pré-escolar". Mas para 2018-2019 o ministério apenas assume que "haverá um reforço da rede", sem indicar o número concreto de vagas a abrir. O Orçamento do Estado prevê um reforço de verbas para assegurar a cobertura do pré--escolar e, recentemente, no Parlamento o ministro anunciou obras em cerca de 300 escolas do pré-escolar e do 1.º ciclo. No entanto, as referidas obras são abrangidas nos programas operacionais regionais Portugal 2020 e não deverão ter impacto em Lisboa.

Tal como sucede em relação às creches, a câmara tem a tutela dos equipamentos do pré-escolar e do 1.º ciclo, e Ricardo Robles garante que a autarquia terá um papel ativo na resolução do problema: "Identificámos a carência e estamos a ampliar a oferta", disse, explicando que a resposta passará também por criar novos equipamentos ou ampliando a resposta dos existentes. Em preparação está a abertura de um jardim-de-infância e 1.º ciclo no antigo arquivo municipal, na Praça de Londres", que ficará na dependência do agrupamento Filipa de Lencastre. A maioria dos alunos já frequentavam um espaço, que foi encerrado, e estão atualmente com aulas em contentores.

Creches

> Não obedecem a um calendário definido porque são uma resposta social e não uma oferta educativa. Geralmente, as instituições particulares de solidariedade social, que as gerem, abrem candidaturas a partir do mês de março, mas é sempre possível concorrer.

Prazos

> Na educação pré-escolar e 1.º ciclo do ensino básico o período normal para matrícula decorre entre o dia 15 de abril e o dia 15 de junho. Os diretores dos agrupamentos fixam os prazos relativos a situações específicas do básico e do secundário (mudanças de curso, ensino recorrente, etc.). É sempre possível fazer a matrícula, mas quem o faz após o prazo normal entra numa segunda seriação dos alunos.

Critérios

> Neste ano letivo há várias novidades nas regras de candidaturas pré-escolar e ensino básico e secundário, com o objetivo de aumentar a transparência do processo. Uma das mais significativas é a obrigatoriedade de o encarregado de educação, quando não é um dos pais, morar na mesma casa do aluno. Será também dada prioridade aos alunos com necessidades educativas especiais nos casos em que exista igualdade de circunstâncias na localização.

Ler mais

Exclusivos