André Neves candidata-se a líder da JSD

André Neves, que preside à distrital de Aveiro, apoiou Rui Rio para a liderança do PSD

O presidente da distrital de Aveiro da JSD, André Neves, que apoiou Rui Rio para a liderança do partido, anunciou hoje a sua candidatura a presidente da Juventude Social Democrata, cujo congresso se realiza em abril.

"Candidato-me para voltar a colocar a JSD no centro da discussão política em Portugal", afirma, em comunicado, André Neves, que é também vice-presidente da comissão política nacional.

André Neves diz querer "relançar o debate político na JSD e devolver-lhe o peso e a importância política que já teve", considerando que "se existe um afastamento entre os jovens e a política, a JSD tem de ser a protagonista de uma reconciliação".

"Defendo, por isso, uma JSD onde todos os militantes participam nas grandes decisões, incluindo a eleição direta do presidente da JSD por voto eletrónico" e mesmo o "não pagamento de quotas" pelos jovens militantes do partido", assume na sua candidatura.

A escolha do futuro presidente da JSD decorre sob a forma de eleição indireta, em congresso nacional. Antes, caberá aos jovens filiados a escolha dos delegados que os representarão.

André Neves deverá disputar a liderança da JSD à deputada Margarida Balseiro Lopes, que acusa de obedecer a "lógicas dinásticas", fazendo um apelo aos militantes para que usem "todo o seu poder para, nas eleições para delegados em cada secção, escolherem a linha política que considerarem melhor, em função do candidato a presidente que melhor os possa representar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".