84% dos alunos do profissional não seguem ensino superior

Lisboa e Porto, os distritos com maior número de alunos a concluir o ensino secundário profissional, têm as taxas mais baixas de transição para o superior

Dos 23 625 alunos que concluíram os estudos secundários no ensino profissional no ano letivo 2015/2016, 84% não ingressaram no ensino superior. São quase 20 mil alunos que deixaram de continuar a estudar.

Os dados constam de um relatório da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência sobre a transição entre o ensino secundário e o superior e confirmam uma tendência já revelada nos últimos anos - a esmagadora maioria dos estudantes dos cursos profissionais não segue para as universidades ou politécnicos. Nos cursos científico-humanísticos, a proporção é a inversa: 80% dos alunos que concluem o secundário inscrevem-se no ensino superior no ano letivo seguinte.

Nem mesmo considerando os dois últimos anos os dados se alteram muito. Tomando o ano letivo de 2014/2015 como referência, constata-se que 6% dos estudantes, não tendo ingressado no superior logo após a conclusão do secundário, acaba por fazê-lo no ano seguinte. As razões para esse adiamento não são explicitadas. Mas, apesar disso, a percentagem dos que ficam fora do ensino mantém-se nos 80%.

Uma das explicações para estes números prender-se-á com o facto de os alunos do profissional, nas provas de ingresso no ensino superior, serem avaliados sobre assuntos que não constam nos seus currículos.

Curiosamente, os dois distritos do país que têm um maior número de alunos a concluir o ensino profissional - Lisboa e Porto - são os que revelam, simultaneamente, as taxas mais baixas de transição para o superior (11%). É nos cursos técnicos superiores profissionais (formações curtas, de dois anos) que se verifica a grande diferença - enquanto em Bragança estes cursos "captaram 28% dos diplomados do ensino profissional", nas duas maiores cidades a percentagem fica-se pelos 6% (sendo de 10% no total nacional).

O relatório avança como possível explicação para esta diferença a "relativa escassez da oferta formativa de cursos técnicos superiores profissionais, em termos proporcionais, no ensino superior politécnico dos dois distritos mais populosos do país". Outra justificação "poderia assentar nas diferentes taxas de desemprego entre as regiões do país, assumindo que, onde há mais emprego disponível, a atratividade do ensino superior poderá ser menor". Mas o próprio documento admite que esta correspondência não é total, pelo que não explica por si a discrepância.

Em termos de áreas de formação, os cursos profissionais de hotelaria e restauração, bem como os de técnicas de diagnóstico e terapêutica, são os que revelam taxas mais baixas de transição para o superior.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, já deixou uma garantia: no "final da legislatura, teremos um número completamente distinto de jovens vindos do ensino profissional que entram no superior."

Ciências e Tecnologias lidera

Já entre os alunos que terminaram o ensino secundário científico-humanístico a taxa de ingresso mantém-se estável, ao longo dos últimos anos, a rondar os 80%.

A área das Ciências e Tecnologias é a que apresenta percentagens mais expressivas (84% nos último ano letivo), seguida pelas Ciências Socioeconómicas (83%) enquanto Línguas e Humanidades se fica pelos 69%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.