Odi e Kasi, as duas novas lontras-marinhas do Oceanário

Os mais recentes habitantes do aquário de Lisboa foram resgatados no Alasca

O Oceanário de Lisboa recebeu dois novos habitantes, as lontras marinhas Odi e o Kasi, que nasceram no Alasca, em março e julho de 2017, respetivamente. Os dois machos juvenis vieram do Alaska Sealife Center, um centro de recuperação de animais marinhos que resgatou e reabilitou estas lontras. Os animais receberam os nomes dos locais onde foram encontrados: o Odi foi resgatado perto da lagoa de Odiak e o Kasi foi encontrado na região de Kasilof.

Estas duas novas lontras marinhas fazem agora companhia às fêmeas Micas e Maré, nascidas no Oceanário há 18 e 20 anos.

Segundo Núria Baylina, Curadora e Diretora de Conservação do Oceanário, «o processo de adaptação das lontras marinhas correu como esperado. Estiveram em quarentena trinta dias, em constante monitorização, até estarem perfeitamente adaptadas às novas condições. A introdução no habitat do Pacífico e a aproximação às duas lontras marinhas fêmeas foram um sucesso", disse a bióloga.

De acordo com a nota do Oceanário, o equipamento recebeu os animais muito debilitados e com menos de um ano de vida. Nestes casos, "a reintrodução no habitat natural não é viável, uma vez que é durante o primeiro ano de vida que as crias aprendem com as progenitoras as regras básicas de sobrevivência, como procurar alimento e cuidar do pelo", lê-se no comunicado.

O apoio do Oceanário foi vital para garantir todos os cuidados necessários para a sobrevivência dos dois animais após o seu resgate.

Ao receber estas duas novas lontras marinhas, o Oceanário de Lisboa "reforça o seu compromisso de contribuir para a proteção da biodiversidade marinha e de sensibilizar os visitantes para a conservação do oceano".

De acordo com o Estatuto de Conservação segundo a Lista Vermelha da "International Union for Conservation of Nature" (IUCN), a lontra marinha é um animal considerado "Em perigo".

A lontra marinha tem o pelo muito denso, sendo o animal com mais pelo do planeta, com cerca de 155 mil pelos por centímetro quadrado. Tem ainda um metabolismo muito acelerado (para manter a temperatura) e por isso precisa de comer, todos os dias, o equivalente a 30% do seu peso, - o equivalent a um humano adulto consumir 100 hamburgúeres por dia.

É o único mamífero marinho que ainda apresenta características de animais terrestres: patas dianteiras como o cão, dentição de carnívoro, orelhas e até sobrancelhas. Utiliza ferramentas, conseguindo partir conchas com pedras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.