Militares partem quinta-feira para a República Centro Africana

Portugal vai assumir durante um ano o comando da missão militar de treino da UE em Bangui

Partem na madrugada de quinta-feira, da base aérea do Montijo, os militares do contingente português que vai chefiar a missão de treino da UE na República Centro Africana (RCA), soube esta terça-feira o DN junto de fontes militares.

Esta nova Força Nacional Destacada (FND) é comandada pelo brigadeiro-general Hermínio Maio e integra cerca de quatro dezenas de efetivos dos três ramos das Forças Armadas, os quais vão liderar uma estrutura multinacional da UE com 170 militares de 12 países a partir do Campo Moana, em Bangui (onde também se situa o Centrod e Formação de Kassai).

A partida dos mais de 20 militares que ainda estão em Portugal e de equipamento diverso está agendada para as 01:00 horas de dia 4. A duração desta missão de apoio à reforma do setor de Defesa da RCA é de um ano, podendo ser alargada até aos 14 meses, após o que o seu comando será assumido por outro país da UE.

Esta FND será composta por 40 militares dois do Estado-Maior General, quatro da Marinha, 27 do Exército e sete da Força Aérea e pode ser estendida até à meia centena de efetivos. Cabe-lhe a responsabilidade de planear e executar atividades de assessoria ao nível do Ministério da Defesa e do Estado-Maior das Forças Armadas da RCA, como de formação (oficiais e sargentos) e treino operacional e coletivo do braço militar daquele país africano.

O treino operacional do contingente comandado por Hermínio Maio iniciou-se a 2 de novembro de 2017, tendo a cerimónia de entrega do estandarte nacional decorrido a 22 de dezembro.

Note-se que na RCA está ainda uma outra FND, maioritariamente composta por militares comandos, que atua como força de reação rápida ao serviço das Nações Unidas (MINUSCA) e que, numa das recentes operações em que foi empregue contra grupos rebeldes, esteve mais de duas semanas a viver com rações de combate, disse uma das fontes como exemplo da dureza das operações naquele país africano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.