Greve pode atrasar compras nos super e hipermercados

Sindicato acusa empresas de terem substituído os trabalhadores grevistas durante o dia de ontem. Hoje e amanhã é greve do pessoal das lojas

Quem deixou as compras de Natal para os últimos dias poderá ter de enfrentar filas maiores do que o que já é habitual nesta altura. A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) garantiu que, apesar da greve dos trabalhadores dos super e hipermercados, estão "asseguradas todas as condições para que os consumidores portugueses possam realizar as suas compras", mas o Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) acredita que, em muitas lojas, o número de trabalhadores será inferior ao que era suposto e que algumas podem fechar.
Depois da paralisação de ontem feita pelos trabalhadores dos armazéns, logística e entrepostos Continente/Sonae, Jerónimo Martins, Dia Minipreço e Lidl, está marcada para hoje e amanhã a paralisação dos trabalhadores das lojas das cadeias de super e hipermercados. "Não conseguimos dizer que as lojas X vão estar fechadas, mas acreditamos que isso vai acontecer em algumas empresas. Em muitas lojas, o número de trabalhadores vai estar reduzido. Vamos ver muitas chefias a trabalhar pela primeira vez", disse ao DN Filipa Costa, dirigente do CESP.
Sem adiantar qual a adesão à greve de ontem, o CESP denuncia o facto de as empresas terem tentado atenuar os seus efeitos, "contratando trabalhadores a empresas de trabalho temporário", "substituindo trabalhadores em greve (o Lidl, no Entreposto do Linhó, substituiu trabalhadores do armazém por trabalhadores de lojas)", promovendo "trocas de horários e de dias de descanso" e exercendo "pressão e ameaças aos trabalhadores para que não adiram à greve". Comportamentos, sublinha, "ilegais, violadores do direito constitucional à greve e passíveis de contra-ordenações muito graves".
Ao DN, fonte oficial do Lidl adiantou, no entanto, que a empresa "respeita o direito à greve e como tal respeitou as regras relativas aos pré-avisos de greve, não tendo tido colaboradores de loja a trabalhar nos entrepostos nos dias de greve." Já fonte do Pingo Doce adiantou que a adesão à greve "foi inferior a 1% do universo de colaboradores dos Centros Logístico da empresa", não tendo tido "qualquer impacto" na operação.
Em comunicado, o CESP disse que registou uma "elevada adesão à greve e a participação nas ações realizadas", o que demonstra "às empresas e à APED" a "grande determinação" dos trabalhadores "em lutar pela negociação do contrato coletivo de trabalho, com o aumento dos salários de todos os trabalhadores sem discriminações, fim da Tabela B e correção da carreira profissional dos operadores de armazém igualando-a à que os operadores das lojas têm com 3 níveis de progressão automática até à categoria de especializado".
Por seu turno, a APED lamenta que a greve ocorra em pleno processo de negociação do contrato coletivo. Destacando que está agendada uma nova reunião entre APED e sindicatos para o dia 10 de janeiro, nega, por isso, que as negociações estejam paralisadas. "Estas ações públicas, promovidas pelos sindicatos do setor e nesta altura do ano, servem para desviar o debate dos assuntos de natureza laboral da mesa de negociações, onde deverão efetivamente permanecer".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.