Fim de ciclo. Cavaco escreve a biografia e afasta-se da política

Presidente cessante recusa ser elemento desestabilizador. Contudo, as suas memórias prometem fazer correr muita tinta

O mandato termina e a pergunta impõe-se: e agora, Cavaco? O que vai fazer a partir de amanhã - quando Marcelo Rebelo de Sousa tomar posse como 20.º Presidente da República - um dos políticos com o percurso mais longevo da nossa democracia?

Os que o conhecem bem asseguram, quase em uníssono, que vai ser "muito discreto" a partir do momento em que abandonar o Palácio de Belém. Não vai fazer comentário político na televisão ou assinar colunas de opinião em jornais ou revistas. Quer mesmo distanciar-se, dizer adeus.

O que fará então, depois, de tratar das "muitas coisas", dos "muitos papéis" - palavras do próprio Cavaco, ontem, após a visita ao Museu Municipal de Cascais - que tem para arrumar?

O ainda Chefe do Estado poderá vir a participar pontualmente em conferências (em Portugal ou além-fronteiras) ou até "dar uma ou outra entrevista", mas não tenciona levantar ondas ou ser um "elemento desestabilizador". Nem para o país nem para o partido de que foi líder, o PSD. Os tempos são outros e têm novos protagonistas: Marcelo em Belém, António Costa em São Bento e Pedro Passos Coelho na São Caetano. "Não vai ser interventivo, não se vai multiplicar em opiniões", diz fonte próxima do ainda Presidente.

O mesmo será dizer que, depois de mais de três décadas de política ativa, Cavaco não tenciona cultivar o estatuto de senador. Nem o assento no Conselho de Estado - a que, ao abrigo do artigo 142.º da Constituição, tem direito - fará que procure os palcos mediáticos. No entanto, já terá feito saber aos seus mais próximos que será esse o fórum indicado para dizer o que pensa. E que não se coibirá de o fazer.

Recato parece ser palavra de ordem do também ex-primeiro-ministro - que vai regressar à Travessa do Possolo, em Lisboa, onde antes habitava. E o princípio sagrado da estabilidade será para respeitar também no verbo. Mesmo no pós-Presidência.

Memórias passam ao papel

Porém, Cavaco poderá voltar a agitar as águas quando publicar a sua biografia. Se seguir a lógica do que fizera até aqui - já publicou dois volumes de Autobiografia Política -, o Presidente cessante vai debruçar-se apenas sobre a dimensão política da sua vida nos últimos anos.

E haverá tanto para contar. Desde o polémico caso das alegadas escutas ao Palácio de Belém por ordem de José Sócrates - Fernando Lima, o ex-assessor do Presidente também estará a preparar uma obra - à convivência desde então (final de 2009) com o primeiro-ministro socialista, passando pela queda desse executivo devido ao chumbo do PEC IV, em 2011, pela crise "irrevogável" no governo de Passos Coelho e Paulo Portas em 2013 - e os apelos ao consenso com o PS de António José Seguro - ou ainda o impasse político após as últimas legislativas.

"Só escreverei as minhas memórias depois de 9 de março de 2016", afirmava Cavaco em maio do ano passado, quando confrontado pelos jornalistas com alguns trechos da biografia autorizada de Passos - da autoria de Sofia Aureliano -, com críticas à atuação do Chefe do Estado no verão quente de 2013.

Fontes próximas de Cavaco Silva garantem que, se o professor assim entender, haverá ainda mais para revelar aos portugueses através das suas Memórias, até porque nos bastidores, dizem, fez muito para garantir a serenidade dos demais agentes políticos e a estabilidade do país em anos de chumbo.

Para já, Cavaco está a "reaprender" a conduzir - há 31 anos foi a "rodagem" de um Citroën que o pôs na estrada para a liderança do PSD -, como o Expresso adiantava. Vai voltar a estudar e trabalhar num escritório no Convento do Sacramento, em Alcântara - cujas obras ascenderam a 500 mil euros e arrastaram-se mais de um ano.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.