Câmaras, seguranças e polícias vigiam finalistas em Espanha

Agências que organizam viagens falam de um crescimento na procura superior a 20%. Pais preocupados com a segurança

Mil e oitocentas câmaras de vigilância, 150 seguranças, polícias e 200 monitores vão estar espalhados por Marina d"Or (complexo turístico na província de Castellón), na próxima semana, para garantir a segurança dos sete mil jovens portugueses que se deslocam na viagem de finalistas para aquele destino espanhol. Um cenário semelhante ao que poderá ser encontrado em Gandia, na província de Valência, onde são esperados perto de cinco mil alunos.

Cerca de um ano após a expulsão de aproximadamente mil estudantes portugueses de Torremolinos, Málaga, por alegado vandalismo, o DN ouviu algumas agências que levam finalistas para Espanha, para saber que como será garantida a segurança. Não serão adotadas medidas excecionais, adiantam, mas existe um dispositivo montado para que tudo corra dentro da normalidade.

Há seis anos que a Sporjovem leva finalistas para Marina d"Or, naquela que é, para muitos alunos, a primeira experiência longe dos pais e fora do País. À semelhança do ano passado, serão sete mil neste ano. "Alguns pais ficaram reticentes com o que aconteceu no ano passado, mas, há 28 anos no mercado, nunca tivemos problemas", destaca Orlando Pinto, diretor geral. Marina D"Or é um "complexo turístico semi-privado", que permite ter os alunos - não há turistas nessa semana - no raio de um quilómetro.

"Existem 1800 câmaras de vigilância instaladas em Marina d"Or, o que transmite segurança. Está tudo monitorizado. Isso é um fator dissuasor para que não existam maus comportamentos", adianta o responsável. Por esta altura, revela, "há um reforço de seguranças no local". São cerca de 150 a 200 monitores.

Para Gandia, no sul de Espanha, viajam quase cinco mil alunos, numa viagem que, pela primeira vez, inclui um cruzeiro de um dia em Ibiza. "Tivemos um crescimento de mil a 1200 pessoas, o que associamos ao facto de nunca termos tido problemas nas viagens. As notícias do ano passado fizeram com que os alunos procurassem alternativas. E Ibiza é um sonho", diz ao DN Nuno Mendes, um dos gestores da agência Crew.

Segundo o responsável, esse aumento fez com que houvesse um reforço ao nível da segurança. "Fazemos sempre uma média de um segurança para cada 35 pessoas", esclarece. Estes têm "um caráter meramente preventivo, uma vez que, como os clientes sabem que estão a ser supervisionados, não há comportamentos excessivos".

Durante a próxima semana, Nuno Mendes diz que o número de polícias em Gandia duplica e há uma equipa de 300 coordenadores a operar 24 horas por dia. Existe, ainda, um pólo da agência aberto no local e uma equipa de enfermeiros. "Este é um destino pequeno, fácil de controlar. Os pais podem ficar descansados, que eles estão mais do que vigiados. É um destino só nosso e mais seguro do que irem para a discoteca cá, porque lá estão sempre controlados".

Pais ansiosos

Jorge Ascensão, presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), diz que o facto de "haver vigilância à partida pode tranquilizar mais, já que serve de fator dissuasor", mas as viagens de finalistas "deixam sempre as famílias ansiosas". "Ano após ano acontecem situações que ninguém deseja e que nos deixam preocupados", assume.

Por esta altura, as autoridades portuguesas estão empenhadas em prevenir comportamentos de risco associados ao consumo de estupefacientes e álcool por parte dos jovens que viajam para o sul de Espanha e para a Catalunha. Ao DN, fonte oficial da GNR adianta que "tem previstas ações nas fronteiras terrestres", envolvendo "300 militares dos comandos territoriais, pertencentes às Secções de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário, estrutura de investigação criminal e de equipas cinotécnicas, em coordenação com a Guardia Civil". E no Comando Operacional da Guarda Civil estará um oficial português.

Já a PSP diz que tem vindo a realizar "ações de sensibilização junto da comunidade escolar" para alertar "os jovens para a adoção de comportamentos preventivos durante as deslocações e para o cumprimento das disposições legais em vigor". Apesar de não estarem "presentes nos destinos habituais das viagens de finalistas em Espanha", "durante a presente semana os comandos contíguos vão receber elementos do Corpo Nacional de Policia, no sentido de apoiar a segurança que a PSP presta aos cidadãos espanhóis que nos visitam durante esta época festiva".

Europa é cada vez mais uma opção

Nos últimos anos, os destinos de praia têm vindo a perder alguns finalistas para as capitais europeias. Artur Veloso Vieira, da agência ALA Viagens, adianta ao DN que a empresa levará aproximadamente três mil jovens para Madrid, Barcelona, Roma, Londres, Paris e Amesterdão. Um crescimento de 20% face ao ano passado. "O conceito de viagem de finalistas que procura acrescentar algo mais diz cada vez mais aos estudantes", explica. Dos programas fazem parte visitas a locais emblemáticos, museus, monumentos e, sempre que possível, parques de diversões. "Temos um monitor por cada 20 alunos, para que tudo corra bem", afirma.

Ricardo Baptista, diretor geral da Total Fun, avança que a agência de viagens trabalha "com pequenos grupos, que preferem destinos como Itália, Londres e Paris". Nas férias da Páscoa, vão levar cerca 200 jovens a viajar pela Europa. "É um mercado em crescimento".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG