"As famílias não vão dizer às crianças que nasceram de uma doação"

Um homem e uma mulher que doaram esperma e óvulos, respetivamente, dizem-se felizes com o gesto e aceitam a quebra do anonimato

Catarina Pereira, 26 anos, consultora, já vai na segunda doação. A lei portuguesa só lhe permite fazer mais uma. Aceita a quebra do anonimato, o que já não aceita é que se tenham colocado famílias em suspenso. "Quando fiz a primeira doação tinha escolhido não revelar a informação, mas acho que o facto de revelar não deve ser motivo para deixar de se fazer. Acredito que essa possibilidade nem será usada, acredito que se tudo correr bem e vier uma pessoa ao mundo fruto da minha doação, que os pais saberão lidar com a situação."

Estava a pesquisar na Internet quando lhe surgiu um anúncio sobre a doação de óvulos. Pensou: "Porque não ajudar alguém?" Contactou a AVA Clinic, em Lisboa. "Explicaram-me como seria todo o processo - é verdade que existe muita informação, mas nem sempre é a boa informação -, tive confiança nos profissionais e avancei", conta.

OUTROS PAÍSES ESPANHA. Vigora a lei do anonimato dos doadores. Muitas clínicas portuguessa têm ido buscar gâmetas aos bancos espanhóis, o que agora impossibilita a sua utilização. DINAMARCA. Tem as duas possibilidades: identificação do dador e anonimato. É uma alternativa para as unidades de saúde portuguesas. É mais caro que Espanha e o perfil da maioria dos doadores é diferentes dos portugueses. INGLATERRA. A doação era anónima, passando a ser identificada a partir de 2004, além de pormenorizar os procedimentos. Não há adultos nascidos no âmbito das alterações à lei para saber se levou a que quisessem saber as origens.

Rúben Castro, 22 anos, cabeleireiro, confrontou-se com o problema quando soube que uma amiga não podia ter filhos. Está consciente de que a sua dádiva "pode realizar o sonho de uma mulher vir a ser mãe", sentindo por isso "um enorme gosto, orgulho e satisfação pessoal". "Saber que alguém que me é tão especial não pode ser mãe, algo com que sempre sonhou, deixou-me realmente mais consciente para estes problemas. E, como ela, existem inúmeros casais que sonham ser pais, e infelizmente não podem." Contactou a Clínica Ferticentro, em Coimbra, onde fez todo o processo de doação.

Ao dar o meu consentimento para que seja revelada a minha identificação tive em conta essa possibilidade. E saberei que ajudei uma família a ter um filho

E se daqui a 18, 20 anos, alguém nascido das suas doações os quiserem conhecer? "Não tenho qualquer problema. Foi algo que fiz e do qual me orgulho", responde Rúben Castro. Catarina Pereira reforça que analisou essa hipótese. "Ao dar o meu consentimento para que seja revelada a minha identificação tive em conta essa possibilidade. E saberei que ajudei uma família a ter um filho."

Catarina Pereira prefere não ter a foto num órgão de comunicação. Embora os que lhes estão próximos saibam da sua decisão. Explica Ana Pereira, psicóloga clínica, que a acompanha como a as outras utentes da AVA Clinic: "Não é fácil divulgar esta decisão nem em termos familiares, nem no local de trabalho. Nem toda a gente entende a relevância deste gesto." Acrescenta Catarina: "Muitas pessoas sabem que doei e reagem de forma natural, ainda que a maioria não sentisse vontade de o fazer, mas nem todos entendem."

"As crianças não vão saber"

Nada que tenha impedido Catarina de seguir em frente com o processo de doação; sente que faz todo o sentido contribuir para que outros concretizem o sonho de ter um filho. "As pessoas que têm problemas de fertilidade sofrem muito", mas isso não significa que se sinta especial: "Não sei se a minha doação resultou no nascimento de uma criança, espero ter ajudado alguém, mas não me sinto particularmente orgulhosa, acho que fiz algo normal."

Já Rúben sente-se mais especial: "É tão bom poder concretizar sonhos, é tão especial saber que graças a pessoas como eu, estas pessoas podem ser verdadeiramente felizes." E, por isso, contou a todas as pessoas próximas. "Algumas não conseguem compreender a minha escolha, mas isso não me fez olhar para trás. A felicidade de alguém é muito mais importante. "

Quanto à quebra do sigilo, Rúben Castro reconhece a controvérsia. "Todas as crianças são iguais perante a lei, merecem saber quem são os pais." Na prática: "Os pais não irão revelar aos filhos que foram gerados através do esperma de um dador. Crescem com a ideia de que aqueles são os verdadeiros pais. E é verdade. Pai é quem cria."

Crescem sempre com a ideia de que aqueles são os verdadeiros pais. E é verdade. Pai é quem cria.

Dinheiro não é questão

A compensação financeira pelas doações é de 43 euros no caso dos homens e 843 no caso das mulheres, já que é um processo mais complexo. "Ajudou na primeira vez. Estava a poupar para fazer uma grande viagem e utilizei esse dinheiro. Neste momento não faz muita diferença. Tenho uma vida profissional estável", explica Catarina.

"A maioria das pessoas doa por motivos altruístas, no caso dos homens estamos a falar de um valor insignificante. No caso das mulheres o valor pode ter algum impacto, mas muitas até desconhecem que há uma compensação e dizem que não querem receber", diz Vladimir Silva.

Ana Pereira reconhece que o dinheiro pode ter alguma importância, mas não é a principal motivação. Trabalha na clínica há 18 anos, muito tempo de experiência a contactar com todas as partes. "Entrevistei mais de 2500 dadoras, a primeira motivação é ajudar outra pessoa, ajudar outra mulher a ter uma criança (é uma coisa de mulher para mulher); depois vem a compensação monetária que pode servir para alguma coisa concreta, não é por necessidade e por fim a oportunidade de ser vista por uma boa médica e fazer uma série de exames; obter informação sobre a sua fertilidade de forma indireta."

As mulheres podem fazer no máximo três doações; para os homens o limite prende-se com o número de partos que resultam da sua doação, neste caso oito.

Uma mulher dadora - que tem uma idade de limte de 34 anos - tem de passar por sete consultas, entre a entrevista com a psicóloga, consulta médica, estimulação e exames. Está ainda envolvida medicação e a estimulação ovárica é feita com recurso a injeções diárias ou bi-diárias em casa.

Já os homens fazem uma primeira entrevista, depois a consulta médica, a realização de exames para se proceder à recolha de esperma, seguindo-se um período de quarentena de seis meses, voltando-se a repetir todos os exames para ver se tudo está em ordem.

A informação recolhida está em bancos e consta do Registo Nacional de Dados, desde 2011. Fica a informação relativa a cada uma das partes: doadores de óvulos, doadores de esperma e beneficiários. Implica a indicação do nome, do cartão do cidadão e data em que foi feita a recolha. Também a informação clínica é registada. No caso em que há problemas de saúde ou de suspeitas de consanguinidade, há a possibilidade de conhecer a origem da doação.

Há clínicas, como a AVA, que só fazem a recolha de óvulos, que perguntam se o dador aceita revelar a identificação. A maioria já dizia que sim. Anteriormente a 2006, ano em que foi publicada a lei sobre Procriação Medicamente a Assistida (PMA), as clínicas, como a AVA (início em 2000) e Ferticentro (2002), faziam os tratamentos sem que existisse um quadro legal, continuando posteriormente a trabalhar com as novas regras. E vigorou o anonimato dos dadores, até ao dia 24 de abril, quando o Tribunal Constitucional chumbou algumas das normas na revisão da PMA, que em 2017 passou a incluir a "gestação de substituição".

Lei em suspenso

Entre outras objeções, entende o Constitucional que o adulto fruto de uma dádiva deve poder saber quem foi o dador, o que abrange todos os tratamentos de infertilidade com recurso a gâmetas (óvulos e esperma) e embriões.

Segundo o Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNPMA) devem ser os partidos a resolver a questão, alterando a lei para que seja de novo votada no Parlamento."Pela adoção de medidas legislativas para a PMA" é o nome da petição lançada pela Associação Portuguesa da Fertilidade, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Medicina da Reprodução (SPMR). O objetivo é atingirem as 4 500 assinaturas para levarem o caso ao Parlamento e serem recebidos pela Comissão da Saúde. Responde a presidente Carla Rodrigues, ao DN: " O que temos feito é reunir com os grupos parlamentares no sentido de os alertar para o que se passa em relação à PMA com gâmetas doados em Portugal e disponibilizarmo-nos para colaborar na resolução do problema."

A deputada socialista Isabel Moreira responde que já estão a trabalhar nas alterações, conscientes da urgência do processo: "Vamos refazer a lei de acordo com as indicações do TC que são totalmente diferente das evocadas pelo CDS e alguns deputados do PSD, muito descabidas para o século XXI. É para ser mais pormenorizada e é isso que vamos fazer. Sabemos que há pessoas que estão a viver dramas graves, embriões crio preservados que podem ser destruídos, agora temos de trabalhar com toda a calma para que possa sair uma lei mais completa e de acordo com as questões levantadas pelo TC."

A psicóloga clínica Ana Pereira critica o facto de não se terem salvaguardado os tratamentos em curso: "É impensável que se possa estar mais um ou dois anos com tratamentos interrompidos. O protelar em questões de fertilidade tem consequências por causa da idade da mulher." No privado o limite de idade são 50 anos, no público é até aos 40.

A mesma crítica faz o médico Vladimir Silva, exemplificando com Inglaterra onde existiu um período de transição para a nova lei. Elenca dois problemas: "Os embriões que foram obtidos com as doações anónimas: estamos a falar de milhares de embriões."

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.