As eleições em números

Quanto custam as eleições? Quantas candidaturas vão a votos? Quantas pessoas podem votar?

9 412 461 eleitores registados:

Cidadãos maiores de 18 anos que podem votar, registados até 15 de junho. Desse total, 14 047 são estrangeiros oriundos da UE e 13 778 de outras nacionalidades.

A 12ª eleição para as autarquias:

Os portugueses e estrangeiros autorizados elegem hoje os seus representantes autárquicos pela 12ª vez em 43 anos de democracia. Em causa está a constituição dos executivos camarários e parlamentos em 308 municípios e em 3092 freguesias, espalhados pelos 18 distritos do continente e das regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

11 180 Secções:

Número das mesas de voto, cada uma constituída por cinco membros: o presidente, o seu suplente, o secretário e dois escrutinadores.

12 076 candidaturas:

O número de políticos que se candidatam reparte-se pelas câmaras municipais (1404), pelas assembleias municipais (1364) e de freguesia (9308).

Independentes são quase uma centena:

Estas eleições contam com quase uma centena de candidaturas independentes à frente de grupos de cidadãos eleitores ou com o apoio de partidos políticos. Para as assembleias de freguesia concorrem 948 listas de independentes, os quais conquistaram a presidência de 13 câmaras municipais nas eleições autárquicas de 2013.

Socialistas lideram universo autárquico:

O PS é o maior partido autárquico, com 150 câmaras municipais (sendo uma em coligação, no Funchal). Segue-se o PSD, à frente de 106 municípios (em 80 sozinho e nas outras 20 em coligação, das quais 16 são com o CDS-PP, uma com o PPM, duas com CDS-PP e PPM, a última com CDS, PPM e MPT). A CDU, coligação entre o PCP e PEV (e elementos da Intervenção Democrática), ganhou 34 câmaras municipais em 2013. No final da lista está o CDS-PP, com 5 municípios, dos quais um na região autónoma dos Açores (Velas, em São Jorge), um na região autónoma da Madeira (Santana) e três no continente (Albergaria-a-Velha, Ponte de Lima e Vale de Cambra).

Estimativa de custos:

Os custos operacionais das eleições rondam os 6,6 milhões de euros, a que acrescem cerca de 38 milhões para as candidaturas.

10% a mais de boletins de voto:

Margem dos boletins de voto impressos a mais, para cada órgão a eleger, face aos 9 412 461 destinados aos eleitores registados.

Abstenção mais alta nas eleições de 2013:

As autárquicas de há quatro anos registaram a mais alta taxa de abstenção no conjunto das 12 eleições para o poder local, tendo atingido os 47,4%. Já o nível mais baixo foi alcançado nas eleições de 1979, com 26,24%. Registe-se que em 2013 votaram 4 998 005 dos 9 501 103 eleitores inscritos, os quais permitiram atribuir 2086 mandatos. Já os votos em branco atingiram os 3,87% (correspondendo a 193 471 votos), enquanto os nulos alcançaram os 2,95% (147 205 votos).

Exclusivos