21 religiões assinam "pacto inédito" em Lisboa

No mesmo dia em que Portugal assiste à tomada de posse do presidente da Comissão de Liberdade Religiosa, outro acontecimento há muito esperado é realizado: um pato inter-religioso, perante o Estado português.

Na tarde desta segunda-feira, Portugal assiste à defesa da liberdade de expressão e de consciência, de religião e culto, com respeito mútuo entre todas as igrejas, protagonizado na Declaração pelo Diálogo e pela Paz hoje assinada em Lisboa por 21 comunidades religiosas.

A assinatura da Declaração pelo Diálogo, pela Tolerância Religiosa e pela Paz, em cerimónia presidida pela ministra da Justiça, coincidiu com a posse do novo presidente da Comissão da Liberdade Religiosa, Vera Jardim, e dos restantes membros da comissão, que tem, pela primeira vez na sua composição, um elemento da comunidade budista.

Segundo o texto da Declaração pela Paz, os representantes das várias igrejas signatárias, tendo pleno conhecimento da Lei da Liberdade Religiosa, assumem "o empenho e a disponibilidade para ouvir todas, na sua alteridade e diversidade, num diálogo sincero que aceite o outro não como adversário mas como concidadão partilhando dos mesmos sentimentos de fraternidade".

Os subscritores aceitam ainda o compromisso "claro e indefetível de uma cultura de não-violência, de paz e justiça, aprendendo com o passado sem se deixarem cativar por memórias de ódio, procurando falar e agir com verdade".

Pelo acordo, as confissões religiosas expressam também "motivação para cooperar com a República Portuguesa, as suas cidadãs e os seus cidadãos, na preservação e proteção da liberdade de todas e todos de manter e manifestar uma religião ou crença de sua escolha, seja individualmente ou em comunidade, em público ou privado".

A Declaração pela Paz foi assinada no pressuposto de que o "diálogo entre religiões só ocorre entre iguais e só se alcança se for encetado com honestidade, sinceridade e confiança no outro, construindo pontes em vez de muros", num clima de fraternidade e compreensão.

Segundo o Ministério da Justiça (MJ), a Declaração da Paz resulta de "uma iniciativa inédita que ganha especial relevância num contexto em que as questões relacionadas com a tolerância religiosa têm marcado a atualidade".

O MJ lembra que a Constituição Portuguesa garante uma ampla liberdade religiosa às cidadãs e aos cidadãos, consagrando a separação entre o Estado e as igrejas e comunidades religiosas, numa expressão de laicidade inclusiva que permite garantir condições para que o diálogo entre religiões se desenvolva na vivência cidadã, política e religiosa, de cada um, laicidade que pratica a tolerância e busca a paz civil através da defesa da diversidade criadora das várias tradições religiosas.

Além disso, durante a tarde desta segunda-feira, está a ocorrer uma sessão de debate sobre Liberdade religiosa e a Laicidade, aberta ao público, e com a participação de vários especialistas, entre constitucionalistas e representantes das confissões religiosas presentes.

O objetivo é ponderar sobre o pluralismo religioso, a laicidade portuguesa e o compromisso entre o exercício da liberdade religiosa e o exercício dos direitos humanos e dos princípios constitucionais da igualdade e da não discriminação, como "pilares incontornáveis de uma cidadania inclusiva e plural".

O encerramento será feito pelo novo presidente da Comissão da Liberdade Religiosa, José Eduardo Vera Jardim, antigo ministro da Justiça do primeiro governo socialista de António Guterres.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG