Moedas defende abertura da economia sob ameaça de novas restrições

"O turismo não pode parar. A economia não pode parar. Lisboa não pode parar", disse o presidente da Câmara de Lisboa.

DN/Lusa
Carlos Moedas© PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP

O presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, tomou esta sexta-feira posse como presidente da direção da Associação Turismo de Lisboa (ATL) e defendeu a abertura da economia sob a ameaça de novas restrições devido à pandemia de covid-19.

"Serei sempre o presidente da câmara que está do lado da abertura da economia. Temos que continuar a testar mais as pessoas, temos que vacinar mais as pessoas, mas não podemos voltar a fechar a economia", afirmou Carlos Moedas (PSD), no âmbito da cerimónia de tomada de posse como presidente da direção da ATL, que decorreu em Lisboa.

O autarca de Lisboa referiu que a evolução da pandemia de covid-19 faz com que se viva, "de novo, sob a ameaça de novas restrições, novas barreiras, que afetam, em primeiro lugar, o setor do turismo", a que se junta a crise energética, que afeta as cadeias de produção, abastecimento e estabilidade dos preços, e "a forte escassez de mão-de-obra", que "é mais um obstáculo que põe em causa uma retoma sólida e consistente" do setor.

"O turismo não pode parar. A economia não pode parar. Lisboa não pode parar", disse Carlos Moedas, referindo que o setor representa hoje, direta e indiretamente, cerca de 20% da riqueza da região, sendo no caso da capital de 27%.

"Não podemos permitir que a pandemia nos obrigue a voltar atrás, outra vez", reforçou o social-democrata, defendendo a aposta no "planeamento, antecipação e prevenção", com medidas de segurança que sejam compatíveis com a utilização dos espaços e dos serviços.

Neste âmbito, o presidente da Câmara de Lisboa destacou a abertura do "maior centro de vacinação" na Feira Internacional de Lisboa (FIL), no Parque das Nações, que permite duplicar de três mil para seis mil as pessoas vacinadas por dia, e o investimento nos postos de testagem de rua, nomeadamente quatro diurnos e quatro noturnos.

Além das medidas para combater a pandemia, a Câmara de Lisboa quer reforçar o apoio aos empresários e aos comerciantes, através do programa Recupera +, em que a proposta a submeter ao executivo camarário visa disponibilizar apoio financeiro para a abertura de novos negócios, inclusive para quem passou dificuldades durante a pandemia.

"Queremos que façam e que se adaptem a esta mudança, com a capacidade de ter a ajuda da câmara municipal, mas que o façam também com criatividade e inovação", realçou Carlos Moedas, considerando que "este não é apenas o tempo de recuperar, é uma oportunidade extraordinária para a economia, de se renovar de uma maneira diferente".

Para que essa renovação seja possível, o autarca de Lisboa sublinhou os desafios estratégicos para o Turismo de Lisboa, nomeadamente aumentar a capacidade aeroportuária para acompanhar o crescimento da região, em que é preciso "uma solução rápida" para o novo aeroporto; atrair as melhores marcas hoteleiras internacionais para Lisboa e criar novos espaços de eventos; trazer mais trabalhadores para cidade, apoiando a sua formação; promover a sustentabilidade e implementar um novo plano de gestão de resíduos; e apostar na cultura para trazer novos públicos a Lisboa e dinamizar as regiões onde o turismo hoje não chega.

"Temos que funcionar em região", frisou o empossado presidente da ATL, após apresentar algumas das prioridades para o mandato que hoje iniciou, considerando que "respondem às grandes preocupações" do setor do turismo.

Na perspetiva de Carlos Moedas, o papel da ATL no desenvolvimento da região de Lisboa "é hoje mais importante do que nunca", porque os desafios exigem união: "só juntando todas as áreas do setor temos o poder de ultrapassar os obstáculos e concretizar o nosso potencial enquanto destino turístico, enquanto motor de crescimento, enquanto alavanca para a transformação".

Manifestando a vontade de "ouvir, perceber e colaborar" com todos os que fazem parte da ATL, para "encontrar novas soluções que recuperem, mas sobretudo que renovem a região", o autarca de Lisboa comprometeu-se a ser "um líder desta transformação".

A ATL é uma associação privada sem fins lucrativos declarada de interesse público, que funciona como Agência Regional de Promoção Turística para a região de Lisboa desde 2004, e integra organismos oficiais, associações empresariais e associados individuais, em que a presidência da direção é exercida pela Câmara Municipal de Lisboa, sendo a presidência adjunta exercida por um privado.