Costa Silva admite que se devem "tirar ilações" do caso do financiamento a Mário Ferreira

António Costa Silva defende legitimidade do financiamento de 40 milhões de euros ao empresário Mário Ferreira.

DN/Lusa
© ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O ministro da Economia defendeu esta quarta-feira a legitimidade do financiamento de 40 milhões de euros atribuído pelo Banco de Fomento à Pluris, de Mário Ferreira, mas admitiu que se devem "tirar ilações" da operação, entretanto cancelada pelo empresário.

"Tenho um princípio na vida de que não podemos atuar com base em suspeições ou em rumores. Temos um Estado de direito que tem de funcionar e, relativamente à empresa de Mário Ferreira, embora tenha havido uma investigação, creio que em 2014, nunca foi de facto levantado um processo, nem foi condenada", afirmou António Costa Silva durante uma audição na Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação da Assembleia da República, a requerimento do PSD.

O valor atribuído à empresa Pluris Investments representava mais de metade do total de quase 77 milhões atribuídos a um total de 12 candidaturas ao Programa de Recapitalização Estratégica do Fundo de Capitalização e Resiliência (FdCR), mas Mário Ferreira acabou por desistir desse apoio.

Ministro da Economia admite revisão da "grelha" de acesso ao Programa de Recapitalização Estratégica

O ministro da Economia, António Costa Silva, admitiu que poderá ser necessária uma revisão da "grelha" de acesso ao Programa de Recapitalização Estratégica para permitir um aumento das candidaturas de empresas.

"Neste Programa de Recapitalização Estratégica teremos eventualmente que rever a grelha ou ver porque é que não há um grande número de empresas que estão a ser associadas e a candidatarem-se ao programa", afirmou o ministro durante uma audição na Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação da Assembleia da República, a requerimento do PSD.

"Isto é sempre o problema das políticas públicas, elas são desenhadas e depois têm que ser afinadas e tem que haver aqui consonância dos critérios e aquilo que é o tecido empresarial português", acrescentou.

O Programa de Recapitalização Estratégica do Fundo de Capitalização e Resiliência (FdCR) é gerido pelo Banco Português de Fomento (BPF) e foi criado no contexto do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para ajudar a reforçar o capital e a solvência de empresas viáveis.