"Soldado do futuro" adiado. Exército revoga concurso de 20 milhões

A grande aposta do governo para começar a equipar os militares com sistemas de combate modernos a partir de 2019 sofreu um rude golpe, depois do Chefe de Estado-Maior General do Exército ter decidido não contratar nenhuma nas 12 empresas candidatas ao projeto

Soldados com fardamentos e equipamentos de proteção individual modernos e resistentes, que lhes permitiria uma maior capacidade de sobrevivência em missões de alto risco - este é um dos objetivos do programa "Sistemas de Combate do Soldado", no valor total de 171 milhões de euros, no âmbito da Lei de Programação Militar do governo.

O plano, conhecido como "Soldado do Futuro", acaba, porém, de sofrer um rude golpe: esta quinta-feira, o Exército revogou o concurso internacional, lançado em setembro de 2018, para adquirir parte destes equipamentos, no valor de 20 milhões de euros, já a partir de 2019 até 2026. Esta aquisição reveste-se da maior importância para o exército, já que permite uma modernização dos equipamentos de combate do soldado.

A decisão foi tomada pelo Chefe de Estado-Maior-General do ramo, o tenente-general José Nunes da Fonseca, esta quinta-feira. "No que se refere ao concurso público para a aquisição de equipamentos, no âmbito do programa sistemas de combate do soldado informa-se que, por despacho de 20 de dezembro do General Chefe de Estado-Maior do Exército foi decidido a revogação da decisão de contratar, com os fundamentos constantes do referido despacho e já disponibilizado aos candidatos na plataforma eletrónica de contratação", confirmou ao DN o porta-voz oficial do ramo.

"O procedimento será oportunamente lançado", determina o despacho.

Na origem da decisão está o facto de apenas uma das 12 empresas que concorreram ter apresentado a garantia bancária nos termos em que era exigido no caderno de encargos. O facto dos outros 11 concorrentes terem sido excluídos, gerou "alguma hesitação nos responsáveis do Exército", revelou ao DN uma fonte militar que acompanhar o processo.

As empresas foram notificadas pelo Comando da Logística sobre a "não adjudicação do procedimento BOO94 /2018 - Aquisição por lotes de diversos equipamentos no âmbito do projeto de sistemas de combate do soldado.

O Exército sublinha que se verificou "por parte dos operadores económicos uma grande dificuldade na obtenção" das declarações bancárias exigidas, nos termos de um anexo do Código de Contratação Pública, "para efeito de prova dos requisitos mínimos de capacidade financeira".

Segundo ainda o despacho do Estado-Maior do Exército, a que o DN teve acesso, essa "dificuldade" tem a ver com o facto de essa declaração obrigar a instituição bancária se comprometer a disponibilizar ao candidato uma linha de crédito no valor global dos contratos que eventualmente lhe fossem adjudicados no âmbito do procedimento e durante a totalidade do prazo de execução dos subsequentes contratos".

Vários candidatos reclamaram, desde logo porque "o que estava em causa era o meio de prova do requisito de capacidade financeira e não a capacidade financeira propriamente dita", pedindo que fossem aceites outros documentos financeiros que provassem também o referido requisito. Acusaram ainda o Exército de estar a limitar o princípio da concorrência.

O CEME considerou assim que, "não seria legítima a alteração das 'regras do jogo' já no decurso do procedimento e decidiu-se por deitar tudo abaixo, baseado em três fundamentos: "potenciar ao máximo a concorrência, através da remoção de obstáculos injustificados à participação dos candidatos"; "salvaguardar o cumprimento da mais estrita legalidade"; e "alinhar a política do Exército, em sede do contratação pública, com as orientações emitidas pelas instituições europeias".

Neste lote de material, segundo se pode ler no despacho do então ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, de 26 de julho passado, seriam adquiridas peças como "monóculo intensificador de imagem. apontador iluminador, lanterna tática, monóculo térmico e monóculo de localização de alvos, entre outros".

O projeto Sistemas de Combate do Soldado "visa dotar o militar com todos os artigos e equipamentos que são usados, transportados ou consumidos pelo soldado", para uso individual ou de equipas, dividido em três subsistemas: sobrevivência (que abrange o fardamento, sistemas de carga e os equipamentos de proteção), letalidade (que inclui o armamento ligeiro, os sensores e auxiliares de pontaria) e Comando, Controlo, Comunicações e Informação (C4I).

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?