Sócrates equipara juiz Carlos Alexandre a Sérgio Moro

Ex-primeiro ministro português ataca primeiro juiz da Operação Marquês, Carlos Alexandre, defendendo que "há uma certa similitude entre ele e o atual ministro brasileiro da Justiça"

Em entrevista à TVI24 ao final da tarde, Sócrates referiu que durante a primeira fase do processo Operação Marquês, em que é arguido e suspeito de ter cometido 31 crimes, houve um juiz - Carlos Alexandre - que atuou com parcialidade, equiparando-o ao juiz brasileiro e agora ministro de Bolsonaro, Sérgio Moro.

Para o ex-governante português, Moro é "um ativista disfarçado de juiz", que só chegou a ministro por ter detido o ex-presidente Lula da Silva. Para José Sócrates, "parece que há uma escola internacional que pensa que é possível instrumentalizar juízes."

Na mesma entrevista, José Sócrates sublinhou várias vezes sentir-se chocado com o facto de a comunidade jurídica portuguesa ter aceitado receber Sérgio Moro para apresentar o seu pacote anti-crime, que, afirma, "viola o direito internacional."

O ex-primeiro-ministro criticou também a comunidade política e o próprio governo por não terem manifestado qualquer reação ao convite a Moro que o trouxe até à Faculdade de Direito de Lisboa. Sócrates disse acreditar haver pessoas no governo que se devem ter sentido "tão chocadas quanto eu com esta celebração na Faculdade de Direito."

A classe jornalista também voltou a ser referida. O ex-primeiro ministro manifestou-se chocado com a atitude acrítica dos jornalistas perante a apresentação do pacote anti-crime de Moro. "Espanta-me não ter havido uma reação."

Questionado pelo jornalista da TVI24 sobre o debate instrutório do caso Operação Marquês, José Sócrates escusou-se a comentar esta fase do processo, que ainda decorre, porque, neste momento, "há um juiz que respeito e que considero independente", referindo-se a Ivo Rosa.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?