Marcelo recebeu diretor nacional da PSP depois de ir ao Jamaica

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu esta sexta-feira o diretor nacional da PSP, Luís Farinha.

A audiência do Presidente da República ao diretor nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) terá sido extra-agenda. O encontro foi revelado numa nota da presidência e sem divulgar os pormenores.

A audiência decorreu no final da semana em que Marcelo Rebelo de Sousa visitou o bairro Jamaica, no Seixal, distrito de Setúbal.

A visita do chefe de Estado, na passada segunda-feira, aconteceu 15 dias depois de se terem registado incidentes com a polícia neste bairro, que levaram à abertura de um inquérito pelo Ministério Público.

A PSP abriu um inquérito interno sobre a "intervenção policial, e todas as circunstâncias que a rodearam", ocorrida no dia 20 de janeiro em Vale de Chícharos, também conhecido como bairro Jamaica.

O caso tornou-se público devido a um vídeo que circulou nas redes sociais e levou a um protesto contra a violência policial, no dia seguinte, em frente ao Ministério da Administração Interna, em Lisboa.

Nessa ocasião, registaram-se incidentes com a PSP, que relatou ter havido apedrejamento de agentes policiais por parte de manifestantes já na Avenida da Liberdade e admitiu ter recorrido a disparos de balas de borracha.

O bairro Jamaica começou a formar-se na década de 1990 e tem-se mantido sem condições de habitabilidade, com edifícios inacabados a servir de casa.

Recentemente, no final de 2017, foi assinado um acordo para realojamento de 234 famílias, numa parceria entre o Governo e a Câmara Municipal do Seixal.

O primeiro-ministro, António Costa, visitou o bairro Jamaica no dia 21 de dezembro de 2018, após ter ficado concluída a primeira fase de realojamento de moradores, que abrangeu 64 famílias.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.