Teixeira da Cruz compara situação do PSD à do "carro a ir contra uma parede"

A antiga ministra da Justiça assumiu que apoia Luís Montenegro numa eventual disputa pela liderança dos social-democratas

Paula Teixeira da Cruz, antiga ministra da Justiça, comparou esta sexta-feira a situação da atual direção do PSD a "um carro a ir contra uma parede", e assegurou que apoiará Luís Montenegro numa eventual disputa eleitoral antecipada.

Em declarações aos jornalistas, a deputada social-democrata considerou "perfeitamente normal" que um militante que discorde do rumo da direção se possa apresentar como alternativa. "Estes processos devem ser encarados com total normalidade tanto mais que estão estatutariamente previstos, não se pode falar num processo anómalo", disse.

Questionada se entende que a mudança de liderança no PSD é urgente, Teixeira da Cruz respondeu: "Quando vemos um carro ir contra uma parede, é melhor pôr o pé no travão do que ter de o consertar, se ele ainda tiver conserto".

À pergunta se Luís Montenegro, que ainda esta sexta-feira fará uma conferência de imprensa para se anunciar como alternativa a Rui Rio, será o melhor 'condutor' do partido, Texeira da Cruz respondeu afirmativamente. "Só posso falar por mim, e se me perguntam se apoiarei o dr. Luís Montenegro, com certeza que sim", afirmou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.