Rio e Cristas sob pressão até outubro

O PSD apresenta em percentagem o pior resultado de sempre na história do partido: 22%. Somados, PSD+CDS obtêm pouco mais do que os 27,8% de 2014, quando avançaram coligados.

Rui Rio chegou à sala do hotel no Porto, sua cidade, faltava pouco para as 23h00. Os resultados para o PSD eram pesados: às 13h15 desta segunda-feira, com sete consulados apenas por apurar, tem 726 mil votos, correspondentes a 21,94% (e quatro eleitos). O pior resultado percentual do PSD era até agora o obtido nas primeiras eleições legislativas da democracia, em 25 de abril de 1976, com 24,35%.

Os dois objetivos para as europeias falharam: nem vencer as eleições, nem eleger mais eurodeputados do que os seis eurodeputados que já tinha conseguido em 2014.

Mas o líder do PSD vestiu a pele de vencedor, apesar de ter reconhecido a derrota. Sem pestanejar, voz segura, voltou a pôr a fasquia alta para 6 de outubro: "Ganhar as eleições, é claro". Os sociais-democratas só foram a maior força no distrito de Vila Real e na região da Madeira. Todos os outros foram para o PS.

Já no Largo do Caldas, a líder do CDS trazia no colo um péssimo resultado para o seu partido, que ficou atrás do BE e PCP e manteve apenas um mandato no Parlamento Europeu, o de Nuno Melo. Assunção Cristas deixou transpareceu no rosto o peso do resultado. Mas um e outro carregam até às eleições legislativas a pressão desta vitória do PS. Mesmo que ambos rejeitem que os resultados se possam transpor entre atos eleitorais.

Rio e a fuga para a frente

Porque sabe que as facas se começam a afiar no PSD nas noites de derrota, Rui Rio fez uma espécie de fuga para a frente. Em tom enfático, motivado pelas perguntas dos jornalistas sobre a viabilidade da sua liderança, garantiu que "só se estivesse farto", e não está, é que deitava a toalha no chão. "Claro que tenho condições para levar o PSD a um bom resultado!" - garantiu perante uma sala cheia de militantes, apoiantes, que naquela hora lhe deram apoio.

Mas Rio reconheceu aquilo que é óbvio, a oposição interna, a que gerou "turbulência" no partido, tem agora argumentos para intensificar os ataques internos à sua liderança. Nunca mencionou o nome do antigo líder parlamentar do PSD que o desafiou para eleições internas antecipadas, Luís Montenegro, mas ele esteve presente em todos os recados que deu ao partido.

O líder social-democrata carregará esse peso de saber que se em outubro não atingir a fasquia que se propôs, a de ganhar as eleições ao PS - "ou o PSD chega a outubro como alternativa ao PS ou então não alternativa" -, muito provavelmente não conseguirá manter-se ao leme do partido. Ainda que os opositores internos se mantenham mudos e quedos nestes próximos quatro meses para não serem acusados de prejudicar o partido.

Rio diz que é preciso "aprender" com os erros desta campanha, sendo que o maior deles foi ter deixado António Costa ganhar a "guerra" dos professores, para que a mensagem do PS não passe melhor do que a do PSD. Mas, curiosamente, o líder social-democrata voltou à sua cartilha política de valorização dos consensos, da qual não abre mão. "Os partidos têm de ser capazes de dialogar por Portugal, de fazer aquelas reformas que são decisivas para o futuro do país". E voltou a enunciá-las: do sistema político, da sustentabilidade da segurança social, da justiça e da descentralização.

Cristas muito longe do "maior partido"

Ao contrário de Rio, a líder do CDS deixou mesmo transparecer como o resultado do CDS nestas eleições lhe pesam nos ombros, até porque se empenhou fortemente na campanha de Nuno Melo e tudo fez para tentar eleger mais um eurodeputado, no caso Pedro Mota Soares, o antigo ministro da Segurança Social que com ela partilhou lugar no governo de coligação de Passos e Portas.

Assunção sonhou alto. Tentar ser maior eleitoralmente que os partidos à esquerda, PCP e BE, que suportam o governo e não conseguiu. E este resultado, depois de ter conseguido ficar à frente do PSD quando encabeçou a lista do CDS à câmara de Lisboa, nas últimas autárquicas, deve ter tido mesmo um gosto amargo. A líder centrista tem agora sobre ela uma pressão enorme para as legislativas, eleições em que o seu partido vai testar o peso eleitoral depois de ter passado pela coligação com o PSD.

Ao contrário de Rio, Cristas tem o partido mais unido e uma oposição interna muito mas fraca. O que lhe dá margem para tentar recuperar deste desaire eleitoral até outubro. Mas o sonho de ser o "maior partido", que projetou no último congresso do CDS, parece longe.

Às 13h15 desta segunda-feira, o CDS só tem pouco mais de 204 mil votos (6,2%), com direito a um eurodeputado eleito apenas, Nuno Melo. Nas últimas europeias em que se apresentaram autonomamente, as de 2009, os centristas elegeram dois eurodeputados, com 298 mil votos (8,37%)

Santana na Liga de Honra

No campeonato do centro-direita surgiu também um novo partido, a "Aliança", de Pedro Santana Lopes. Sendo certo que não conseguiu eleger Paulo Sande, o cabeça de lista, a verdade também é que o partido se revelou o maior dos que não elegeram ninguém. "Líderes da Liga de Honra", disse Santana, que no entanto admitiu a "desilusão" com os resultados.

O ex-líder do PSD e ex-primeiro-ministro aproveitou também para, sinalizando a força crescente da esquerda, recordar a sua proposta de "convergência" dos partidos do centro-direita na perspetiva das próximas legislativas. A solução concreta porém não a avançou, dizendo que essa "convergência" tanto pode ser pré-eleitoral como pós eleitoral. Às 13h15 de hoje o "Aliança" registava 61,7 mil votos (1,86%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.