Portugal prolonga missão militar na República Centro-Africana

Decisão resultou de um pedido da França, a quem cabia assumir a missão europeia de treino naquele país africano no início de 2019

O brigadeiro-general português Hermínio Maio vai manter-se mais seis meses à frente da missão de treino da UE (EUTM, sigla em inglês) na República Centro-Africana (RCA), soube esta quarta-feira o DN.

O prolongamento da missão foi pedido pela França, a quem cabia substituir Portugal na liderança da EUTM/RCA no início de 2019 e quando terminava o mandato inicial de um ano.

Portugal aceitou o pedido e Hermínio Maio iria ser substituído pelo brigadeiro-general Coelho Rebelo, atual comandante da Brigada de Reação Rápida do Exército. Contudo, a mudança acabou por não ocorrer, asseguraram fontes militares ao DN sem adiantar pormenores.

O Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) confirmou o prolongar da missão liderada pelo brigadeiro-general do Exército Hermínio Maio - onde estão mais quatro dezenas de militares dos três ramos das Forças Armadas - até julho do próximo ano, limitando-se a adiantar que o assunto foi abordado pela primeira vez há alguns meses entre os principais chefes militares dos dois países.

O prolongar da missão portuguesa na EUTM/RCA deverá ser abordada na próxima reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN), prevista para a próxima semana.

A EUTM/RCA é uma missão de aconselhamento, formação e treino das Forças Armadas daquele país africano e das suas autoridades civis.

Portugal tem outro contingente militar na RCA, mas ao serviço das Nações Unidas e como força de reserva do comandante operacional dos capacetes azuis naquele país com autoridade para intervir em todo o país.

Note-se que o cargo de segundo comandante operacional da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA) é ocupado desde setembro por outro oficial do Exército português, o major-general Marco Serronha.

É para o quartel-general das tropas da ONU, Camp M'Poko - junto ao aeroporto e onde estão os militares portugueses - que os efetivos da EUTM/RCA vão passar a ficar aquartelados, deixando as instalações que ate agora ocupavam no centro de Bangui por questões de segurança, admitiu uma das fontes.

Recorde-se que a equipa de Hermínio Maio - à frente de uma força com cerca de 170 efetivos de vários da UE - fez a revisão estratégica do mandato da EUTM/RCA e preparou a sua extensão por mais dois anos, acompanhada do alargamento da sua área de responsabilidade para cerca de 600 quilómetros a noroeste da capital, Bangui.

Esta medida de descentralização resultou da necessidade de passar a acompanhar os militares da RCA depois de concluída a formação e treino, a fim de estar com eles já na fase de operações no terreno - numa lógica de "formação de formadores".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.