Portugal prolonga missão militar na República Centro-Africana

Decisão resultou de um pedido da França, a quem cabia assumir a missão europeia de treino naquele país africano no início de 2019

O brigadeiro-general português Hermínio Maio vai manter-se mais seis meses à frente da missão de treino da UE (EUTM, sigla em inglês) na República Centro-Africana (RCA), soube esta quarta-feira o DN.

O prolongamento da missão foi pedido pela França, a quem cabia substituir Portugal na liderança da EUTM/RCA no início de 2019 e quando terminava o mandato inicial de um ano.

Portugal aceitou o pedido e Hermínio Maio iria ser substituído pelo brigadeiro-general Coelho Rebelo, atual comandante da Brigada de Reação Rápida do Exército. Contudo, a mudança acabou por não ocorrer, asseguraram fontes militares ao DN sem adiantar pormenores.

O Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) confirmou o prolongar da missão liderada pelo brigadeiro-general do Exército Hermínio Maio - onde estão mais quatro dezenas de militares dos três ramos das Forças Armadas - até julho do próximo ano, limitando-se a adiantar que o assunto foi abordado pela primeira vez há alguns meses entre os principais chefes militares dos dois países.

O prolongar da missão portuguesa na EUTM/RCA deverá ser abordada na próxima reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN), prevista para a próxima semana.

A EUTM/RCA é uma missão de aconselhamento, formação e treino das Forças Armadas daquele país africano e das suas autoridades civis.

Portugal tem outro contingente militar na RCA, mas ao serviço das Nações Unidas e como força de reserva do comandante operacional dos capacetes azuis naquele país com autoridade para intervir em todo o país.

Note-se que o cargo de segundo comandante operacional da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA) é ocupado desde setembro por outro oficial do Exército português, o major-general Marco Serronha.

É para o quartel-general das tropas da ONU, Camp M'Poko - junto ao aeroporto e onde estão os militares portugueses - que os efetivos da EUTM/RCA vão passar a ficar aquartelados, deixando as instalações que ate agora ocupavam no centro de Bangui por questões de segurança, admitiu uma das fontes.

Recorde-se que a equipa de Hermínio Maio - à frente de uma força com cerca de 170 efetivos de vários da UE - fez a revisão estratégica do mandato da EUTM/RCA e preparou a sua extensão por mais dois anos, acompanhada do alargamento da sua área de responsabilidade para cerca de 600 quilómetros a noroeste da capital, Bangui.

Esta medida de descentralização resultou da necessidade de passar a acompanhar os militares da RCA depois de concluída a formação e treino, a fim de estar com eles já na fase de operações no terreno - numa lógica de "formação de formadores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?