R. Kelly acusado de "treinar" jovem de 14 anos para ser "animal de estimação" sexual

Cantor americano de 51 anos enfrenta novas acusações de abusos. Ex-namorada é a autora das denúncias

Há mais um capítulos nas acusações de abusos feitas ao cantor de R&B R. Kelly. Desta vez, a ex-namorada Kitti Jones acusa-o de abusar de menores, treinando-as para que fossem os seus animais de estimação. Kitti Jones descreve estas práticas num documentário emitido pela BBC3 (vídeo não disponível em Portugal), na noite de terça-feira O cantor nega estas novas acusações.

Kitti Jones descreve no documentário "R Kelly: Sexo, Raparigas e Filmes" que dois anos depois de ter começado a namorar com o cantor, começou a ser treinada por ele e forçada a ter sexo com ele e outras pessoas, pelo menos em dez ocasiões numa "masmorra de sexo".

"Fui apresentada a uma das raparigas, que ele disse ter treinado desde que ela tinha 14 anos, essas foram as suas palavras", descreveu a DJ no programa, citado pelo The Guardian . Nesse momento, Kitti percebeu também que estava a cair num padrão, uma espécie de seita: "Vi que ela estava vestida como eu, dizia as coisas que eu diria e tinha os mesmos tiques que eu. Foi aí que se fez luz na minha cabeça, ele estava a treinar-me para me tornar num dos seus animais de estimação. Ele trata-as assim, por animais de estimação."

A acusação de que o intérprete de "I believe I can fly" controla várias mulheres e lidera uma espécie de seita não é nova. Em julho de 2017, o BuzzFeed News divulgou um documentário do jornalista Jim DeRogatis, onde Kitti Jones, agora com 34 anos, e outras três mulheres acusaram R. Kelly de "lavagem cerebral" e de gerir uma espécie de culto, onde lhes era exigido que fizessem sexo com ele, controlado o que elas vestiam e onde tinham de pedir licença para ir à casa de banho ou usar o telemóvel.

Kelly sempre negou estas acusações, dizendo apenas que iria "trabalhar diligentemente para perseguir os seus acusadores e limpar o seu nome".

As primeiras acusações de abusos sexuais contra R. Kelly - nascido Robert Sylvester Kelly - surgiram ainda na década de 1990. Em 1996, chegou a acordo fora dos tribunais com Tiffany Hawkins, que o acusava de ter mantido uma relação sexual com ela quando tinha 15 anos. Em 2008, acabou ilibado das acusações de pornografia infantil, depois de ter sido acusado de manter e filmar encontros sexuais com uma adolescente de 14 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.