Mira Sorvino pede desculpa por ter trabalhado com Woody Allen

Atriz, que ganhou um Óscar com "Poderosa Afrodite", garante que não voltará a trabalhar com o realizador

A atriz Mira Sorvino escreveu uma carta aberta a Dylan Farrow, a filha adotiva de Woody Allen que o acusa de abuso sexual, pedindo desculpa por ter trabalhado com o realizador e garantindo que não voltará a fazê-lo.

"Não consigo imaginar como te deves ter sentido, todos estes anos, a ver alguém que acusaste de te ter magoado quando eras criança, uma criança vulnerável que estava ao seu cuidado, ser louvado uma e outra vez, incluindo por mim e tantos outros em Hollywood que o elogiaram enquanto te ignoravam", escreve a atriz. "Como mãe e como mulher isto parte-me o coração. Lamento tanto, tanto", escreve a atriz, no texto publicado no Huffington Post.

Mira Sorvino foi a protagonista de Poderosa Afrodite, filme de 1995 realizado por Woody Allen, que lhe valeu um óscar.

Sorvino foi uma das mulheres que falaram da sua experiência com Harvey Weinstein a Ronan Farrow, o jornalista autor de um dos trabalhos que trouxeram a público o comportamento abusivo do poderoso produtor de Hollywood, e que é irmão de Dylan Farrow. "Ele encaminhou-me para detalhes públicos da história de que eu não tinha conhecimento e que me fizeram começar a sentir que as evidências suportavam a tua história, que estiveste sempre a dizer a verdade", escreve ainda Sorvino na carta.

Dylan Farrow respondeu entretanto, com um tweet em que se disse esmagada pela "lindíssima" carta.

Mira Sorvino não é a primeira a vir afirmar publicamente que lamenta ter trabalhado com Allen e que não o voltará a fazer. Ellen Page já o tinha feito o ano passado. David Krumholtz e Greta Gerwig também já fizeram o mesmo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.