Carlos Areia vive com cerca de 340 euros por mês

O ator admitiu dificuldades financeiras na entrevista ao Alta Definição do próximo sábado

O ator Carlos Areia revelou numa entrevista que vive com pouco mais de 340 euros por mês, o valor do Complemento Solidário para Idosos. Entrevistado por Daniel Oliveira para o "Alta Definição", da SIC, o ator de 73 anos partilhou o "momento absolutamente dramático" por que passa, segundo o apresentador do programa, que partilhou um excerto online.

"Vivo com, salvo erro, é 342 ou 362 [euros], o complemento solidário para idosos", disse Carlos Areia, que sublinhou que tem sorte de ter uma família que o apoia. O ator admitiu ainda já ter tido necessidade de abdicar de algumas refeições ou de fazê-las mais ligeiras. "Podia pintar aqui um cenário muito bonito, mas é uma realidade, eu vou esconder o quê?"

"Não fazer nada mata-me", conta ainda o ator, que nos últimos anos tem feito apenas participações em trabalhos televisivos, sem integrar o elenco fixo de nenhuma produção.

A entrevista é exibida no próximo sábado.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.