PSD diz que "o diabo chegou e está no Serviço Nacional de Saúde"

No plenário desta quarta-feira, o deputado Ricardo Baptista acusou o SNS de ter quebrado a confiança dos portugueses. PSD pede Plano de Intervenção de Emergência.

O deputado do PSD Ricardo Baptista Leite condenou esta quarta-feira o Governo pela "situação dramática" da saúde em Portugal, considerando que "o diabo chegou e está no Serviço Nacional de Saúde" (SNS). No período reservado a declarações políticas, no plenário da Assembleia da República, o PSD focou-se na "situação de falência" do Serviço Nacional da Saúde, com críticas para o Governo socialista e para os partidos de esquerda que o apoiam parlamentarmente, uma posição partilhada pelo CDS-PP.

"É caso para dizer que o diabo não está para chegar. O diabo chegou e está no Serviço Nacional de Saúde", atirou.

Na opinião de Ricardo Baptista Leite, "quebrou-se a confiança, deixando a gestão da saúde sem rei nem roque e, no final, quem paga são os portugueses".

"É impossível confiar neste Governo e a degradação do serviço público prossegue, empurrando quem tem recursos para o setor privado, deixando quem não tem recursos à mercê do seu destino", criticou.

A exigência do PSD é de que o "Governo reconheça que falhou e ative um Plano de Intervenção de Emergência no Serviço Nacional de Saúde".

Nos pedidos de esclarecimento, a referência ao diabo - imagem utilizada pelo antigo líder do PSD e primeiro-ministro Pedro Passos Coelho - não escapou ao BE e ao PS.

"Quase que tínhamos saudades sobre a tese do diabo. Nós sabemos que algo está mal dentro do PSD quando vai sacar a tese do diabo", atirou o deputado bloquista Moisés Ferreira, numa referência à atual situação interna do partido social-democrata.

Para o BE, "O PSD não tem credibilidade para falar do SNS", apesar de ser "inegável que há muita coisa a fazer", perguntando ao deputado do PSD como é que justifica a proposta de uma Lei de Bases da Saúde que "continua a querer drenar os recursos do SNS para privado".

Seguiu-se a deputada do CDS-PP, Isabel Galriça Neto, que concordou inteiramente com a linha de pensamento do PSD, reiterando que desde há três anos "a saúde dos portugueses está pior" e que o "SNS tem a sua sustentabilidade ameaçada".

"Concorda ou não que a saúde não tem sido uma prioridade para este Governo. Os três anos de ação governativa socialista com o apoio das esquerdas unidas fizeram agravar e muito a situação do SNS", questionou.

Pelo PS, António Sales também escolheu arrancar com o diabo. "O PSD, ao chamar o diabo, precisa de uma sessão de exorcismo. Eu prevejo que seja amanhã ao fim do dia", ironizou.

Já Carla Cruz, deputada do PCP, classificou a declaração política do PSD como "mais um episodio de ofensiva violenta contra o SNS". "Aquilo que o senhor deputado aqui fez foi uma tentativa de descredibilizar o SNS", condenou.

Nas respostas finais, Ricardo Baptista Leite aproveitou para atirar diretamente ao PCP e ao BE, considerando que estes partidos "têm prestado serviço aos privados" ao empurram as pessoas para esses mesmos privados ao aprovar Orçamentos do Estado que não apostam no SNS.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG