Amor ou dinheiro? 37% só estão juntos por causa das finanças

É Dia dos Namorados, mas nem tudo é amor. Há 37% de portugueses que dizem não acabar uma relação por falta de dinheiro. Mais do que o ano passado e menos do que a média europeia

O estudo é do European Consumer Payment Report 2018, da Intrum, e conclui que para 42% dos europeus a situação financeira tem sido um fator decisivo para não terminar um relacionamento e, consequentemente, ficar preso a uma relação indesejada. Mais 1,5% do que a média europeia em 2017.

Em Portugal, há 37% dos inquiridos que justificam os problemas amorosos com as dificuldades económicas, mais do que em 2017: 32%.

Os países onde se registam as percentagens mais elevadas são a Hungria com 84%, Noruega com 53% e França e Letónia com 51% cada um.

Mas, se o dinheiro é o culpado de uma não separação, também o parece ser no que diz respeito aos problemas de afastamento dos casal. No inquérito, 36% dos portugueses culpam a situação financeira pelo fracasso de um relacionamento, valor superior ao ano anterior, 32%. A percentagem europeia é de é de 33%, mais 2% do que em 2017.

São os mais velhos e os mais novos que mais reclamam dos problemas financeiros na vida amorosa. A nível europeu, 20% dos inquiridos com mais de 65 anos afirma que o dinheiro é fundamental para o fracasso de um relacionamento, aumentado para 39 % nos grupos etários dos 18 aos 24 anos e dos 25 e os 34 anos.

Os mesmos grupos revelam iguais dificuldades em Portugal, sendo que as percentagens são mais elevadas: 28% entre os que têm mais de 65 anos dizem que o dinheiro é o responsável pela desunião na vida familiar. 40 % dos que assim pensam têm entre 25 e 34 anos e 42 % entre 18 aos 24 anos.

Luís Salvaterra, diretor-geral da Intrum explica este adiamento do fim da relação com o facto de "grande parte dos casais terem créditos bancários que não conseguem liquidar e em caso de separação e cada um continua a ser responsável pelas dívidas existentes".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".