Oito pessoas intoxicadas com cloro de piscina

Um derrame de cloro intoxicou oito pessoas nas piscinas municipais de Odivelas, esta quarta-feira, cerca das 12:30. Quatro tiveram de receber tratamento hospitalar.

Das oito pessoas que sofreram intoxicação com cloro, quatro foram assistidas no local e quatro tiveram de receber tratamento no Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, disse fonte do CDOS Lisboa ao DN.

Todas as vítimas são maiores de idade, entre os 20 e os 30 anos, disse ao DN o comandante dos Bombeiros Voluntários de Odivelas, Fernando Santos.

"Sentiam irritação nos olhos e garganta e dificuldades respiratórias", precisou o comandante.

O alerta foi dado às 12:29, ainda segundo o Centro Distrital de Operações de Socorro de Lisboa.

As instalações da piscina foram evacuadas e, segundo o comandante dos Bombeiros Voluntários de Odivelas, Fernando Santos, cerca de 30 pessoas foram retiradas.

A piscina foi encerrada para ser ventilada e, segundo o comandante dos Bombeiros de Odivelas, foi reaberta ao público cerca das 17:00.

"O problema foi de imediato resolvido de imediato pela equipa de manutenção das Piscinas", disse.

Estiveram no local 8 viaturas e 18 operacionais, entre elementos da PSP, Proteção Civil Municipal, INEM e 13 elementos dos Bombeiros Voluntários de Odivelas.

Contactada pelo DN, fonte da Piscina Municipal de Odivelas recusou explicar o que aconteceu. "Não temos nada a declarar".

No site da câmara municipal de Odivelas, lê-se que a Piscina Municipal de Odivelas "proporciona, aos seus já milhares de utilizadores, vários serviços de excelência, dos quais, se destaca a qualidade da sua água (reconhecida por vários laboratórios independentes) e os serviços prestados pelo Corpo Técnico, quer no ensino das várias atividades aquáticas, quer na prestação de cuidados de saúde e de bem-estar."

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.