70 concelhos em risco máximo em dia que termómetros começam a descer

Distrito de Faro, onde ainda continua ativo o incêndio de Monchique, é um dos que está hoje em risco máximo de incêndio

Cerca de 70 concelhos dos distritos de Vila Real, Viana do Castelo, Bragança, Viseu, Guarda, Leiria, Santarém, Portalegre, Beja e Faro estão hoje em risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o IPMA, outros 69 concelhos dos distritos de Beja, Faro, Portalegre, Santarém, Lisboa, Leiria, Coimbra, Castelo Branco, Viseu, Aveiro, Porto, Bragança, Braga, Vila Real e Viana do Castelo estão em risco muito elevado (o segundo mais grave) de incêndio.

Em risco elevado estão ainda outros cerca de 80 municípios estão em risco elevado de incêndios, num dia em que o IPMA prevê que os termómetros comecem a baixar.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o "reduzido" e o "máximo".

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Por causa da persistência de valores elevados das temperaturas máximas o IPMA estendeu o aviso vermelho até ao final do dia de hoje, mas apenas nos distritos de Castelo Branco e Portalegre.

O IPMA prevê para hoje tempo quente no interior e descida acentuada de temperatura no litoral oeste e nebulosidade no litoral Norte e Centro.

As temperaturas máximas apenas vão ultrapassar os 40 graus celsius em Castelo Branco (42º), Évora (42º) e Beja (41º). Já as temperaturas mínimas vão descer até aos 16º em Vila Real, Braga, Viseu e Guarda.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.