Guardas prisionais marcam mais dias de greve no Natal e admitem passar 2019 em protesto

Os guardas prisionais exigem a revisão do seu estatuto profissional.

Os guardas prisionais vão estar em greve de 24 a 27 de dezembro, admitem mais paralisação até ao fim do ano e greve de zelo durante todo o ano de 2019, afirmou hoje o presidente do seu sindicato.

Falando no fim de uma vigília de 16 horas em frente ao Palácio de Belém, Jorge Alves, do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional, disse que hoje vai seguir o pré-aviso da greve de 24 a 27 e que, "se continuar tudo na mesma", apesar das reuniões com a tutela marcadas para a semana que vem, "no dia adequado seguirá o próximo aviso de greve de 28 a 31 de dezembro".

"A partir daí, vamos avaliar. Durante o ano que vem, se nada mudar, vamos estar todo o ano com greve de zelo às diligências e às visitas. Aí, sim, o Governo vai perceber o que é trabalhar de acordo com a lei, não é conforme querem que trabalhemos, de forma ilegal", disse a algumas dezenas de guardas hoje de manhã, enquanto desmontavam a tenda que serviu para conduzir a vigília.

Os guardas prisionais exigem a revisão do seu estatuto profissional.

Exclusivos

Premium

Betinho

Betinho: "NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus à seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.