Estado admite abandonar projeto dos KC-390 caso Embraer não baixe o preço

O general do Estado-Maior da Força Aérea admite que a negociação "não está fácil" e que a empresa "está a pedir muito mais do que razoavelmente se esperaria".

O chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), general Manuel Rolo, revelou esta quarta-feira que o Estado português admite abandonar o projeto de aquisição de aviões KC-390 caso a Embraer não baixe os valores pedidos.

"O Estado não quer ver ultrapassado para além deste montante [cerca de 830 milhões de euros], estamos numa negociação férrea e começa a prevalecer a opinião de que, se a Embraer não vier para este valor, o Estado português terá de ir para outras opções", afirmou o general Manuel Rolo no parlamento.

O CEMFA está a ser ouvido na comissão parlamentar de Defesa Nacional sobre a proposta de Lei de Programação Militar, que prevê investimentos de 4,74 mil milhões de euros, até 2030. O valor previsto para o projeto de aquisição de cinco aviões de transporte estratégico e de um simulador na proposta de Lei de Programação Militar (LPM) é de 827 milhões de euros no espaço de 12 anos.

O general adiantou que a negociação "não está fácil" e que a Embraer "está a pedir muito mais do que razoavelmente se esperaria".

Segundo o general, está em cima da mesa e "esse é também o sentimento do ministro da Defesa Nacional [João Gomes Cravinho]", fazer "sentir à Embraer que podem ser pensadas outras opções se eles não quiserem entrar neste nível de negociação para este patamar financeiro".

A equipa de negociação integra, do lado do Estado português, a FAP e a Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional, que está a "fazer um esforço muito grande" junto da empresa brasileira para que possa aproximar-se ao valor que está alocado na LPM.

"Quando a negociação a Embraer estava pedir mais 120 milhões de euros, neste momento o valor situa-se nos 97 milhões de euros", disse.

Manuel Rolo acrescentou que a FAP tem procurado outras soluções visando que o preço possa baixar, como por exemplo contratualizar a aquisição e manutenção dos motores, poupando dessa forma nas comissões adicionais cobradas pela Embraer.

Há outras componentes que podem "ser desagregadas" do pacote a negociar com a Embraer, como o material de guerra eletrónica acoplada ao avião, que também poderão ser comprados diretamente às empresas fabricantes.

Ainda assim, "o máximo que conseguimos é trazer o défice para 50 milhões de euros", que "ficam por resolver", adiantou.

Pelo PSD, o deputado Matos Correia manifestou surpresa por estar em cima da mesa a possibilidade de "rompimento negocial" com a Embraer, frisando que até ao momento o que o Governo tem mostrado é o seu envolvimento no projeto.

Para o CDS-PP, o valor pedido pela Embraer é muito caro e que a empresa brasileira devia perceber que, a concretizar-se o projeto, Portugal será o primeiro país NATO a adquirir KC-390, constituindo-se como possível porta de entrada para mais compradores na Aliança Atlântica.

Sobre a aeronave, o general Manuel Rolo disse que a FAP já voou no KC-390 e comprovou que "é muito fácil de voar e tem capacidades acrescidas", sendo mais rápido, "até cinco horas a menos na longa distância" face ao C-130.

A concretizar-se a compra, "o processo de formação será muito rápido e dinâmico", disse o general, em resposta a uma pergunta do PS.

Questionado pelo deputado do PCP António Filipe sobre se tem "um plano B" caso as negociações falhem, o general Manuel Rolo disse que o "plano B que pode haver é olhar para outras aeronaves que existem no mercado".

"Assim de repente, é o C-130 J e o A400M", disse, ressalvando que o A400M "é uma aeronave excelente, de maior dimensão mas também têm tido imensos problemas para se consolidarem".

Manuel Rolo manifestou contudo "esperança" de que o projeto dos KC-390 "seja uma realidade" e disse acreditar que "o processo de negociação terá de tender para uma situação de acordo".

António Filipe referiu-se ao processo em curso para a norte-americana Boeing comprar 80% da Embraer, considerando que aquela aquisição "é preocupante no que pode traduzir da orientação estratégica da Embraer".

Sobre este ponto, o CEMFA disse que "o que de início tem disso dito é que a joint venture não tocaria no setor militar da Embraer". "É uma negociação difícil. Não sei se existe aqui alguma influência da nova joint venture que está a ser criada com a Boeing que possa estar a perturbar o bom clima da negociação inicial, espero que isso não seja fator", respondeu Manuel Rolo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.