Portugal investe 200 mil euros na campanha de boas-vindas 'Brelcome'

O Turismo de Portugal lançou uma campanha de boas-vindas a cidadãos britânicos, denominada 'Brelcome', no âmbito do plano de contingência de Portugal para o 'Brexit', num investimento de 200 mil euros.

A 'Brelcome', trocadilho entre 'Brexit' (saída do Reino Unido da União Europeia) e a palavra 'welcome' (inglês para 'bem-vindos'), "integra o plano de contingência de Portugal para o mercado do Reino Unido", de acordo com comunicado do Turismo de Portugal divulgado esta sexta-feira. A campanha "inclui também uma linha de atendimento online dedicada e uma área informativa específica no VisitPortugal", um portal 'online' dedicado a turistas estrangeiros que pretendem visitar Portugal, pode ler-se no comunicado.

Totalizando um investimento de 200 mil euros, a campanha vai estar ativa até junho e "promove os ativos do turismo nacional", para "lembrar que, apesar de mudanças que possam eventualmente estar a chegar, há sempre coisas que não mudam" no turismo em Portugal.

Para o Turismo de Portugal, o país "garante aos britânicos que irão manter as condições de viagem de que beneficiam atualmente -- designadamente isenção de vistos, criação de corredores dedicados nos aeroportos, utilização dos seguros de saúde ou reconhecimento das cartas de condução".

Citada no comunicado, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, garante que Portugal "com 'Brexit' ou sem Brexit", criou "todas as condições para continuar a acolher da mesma forma". "As medidas aprovadas pelo Governo português foram muito bem recebidas pelos operadores turísticos e pelos britânicos, que são o nosso principal mercado turístico", disse a governante, adiantando que este mercado cresceu 4,3% em janeiro.

Já o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, afirma: "Apesar de todas as incertezas, queremos deixar claro que Portugal é um país inclusivo e que todos são bem-vindos. Continuamos a apostar no Reino Unido enquanto mercado estratégico para o turismo nacional e nunca é demais reforçar a afinidade que une os dos países e as nossas culturas".

Mercado "muito significativo"

Na quarta-feira, na inauguração da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, já tinha adiantado que a campanha ia ser lançada para que o mercado turístico britânico visse Portugal como o destino europeu "mais amigável".

"O mercado britânico é muito significativo para Portugal. É o mercado que mais turistas gera para o nosso país, com uma presença particular muito significativa no Algarve e na Madeira e, por isso, estamos ao mesmo tempo a fazer uma campanha intensa de promoção de Portugal - estamos a contactar os operadores turísticos e as agências de viagens dando conta das condições que temos - e vamos na próxima semana lançar uma campanha dirigida ao mercado do Reino Unido para mostrar aquilo que Portugal tem para oferecer", disse.

Além disso, acrescentou, Portugal está "a tentar assegurar que a experiência do turista britânico seja a mais normal possível".

"Vamos acolher os turistas sem necessidade de vistos de entrada, vamos manter canais abertos nos aeroportos para que possam seguir sem interrupções, vamos manter o acesso aos canais eletrónicos de passaportes também disponíveis para os turistas que venham apenas para Portugal, vamos continuar a proporcionar o acesso ao Serviço Nacional de Saúde e ao transporte de animais de companhia. Tudo será criado para que os turistas do Reino Unido não sintam, apesar da saída do Reino Unido da União Europeia ['Brexit], qualquer alteração na experiência que tenham em Portugal", lembrou o ministro.

O Parlamento britânico aprovou na quinta-feira uma moção do Governo da primeira-ministra, Theresa May, no sentido de pedir a Bruxelas um adiamento do 'Brexit', marcado para 29 de março.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.