Redefinir o relacionamento com a China

Desde que o então Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Henry Kissinger, visitou a China em 1971, o envolvimento com a República Popular tem sido uma característica fundamental da diplomacia dos EUA. No entanto, a deterioração das relações EUA-China nos últimos anos sugere que essa política pode ter chegado ao fim.

A cimeira virtual de novembro entre o presidente dos EUA Joe Biden e o presidente chinês Xi Jinping pode ser interpretada como uma última tentativa de salvar a relação bilateral. Este é um passo positivo: o relacionamento desempenhou um papel crucial para desencorajar o confronto entre os Estados Unidos e a China. É por isso que os EUA devem comprometer-se novamente com esse relacionamento, mas com uma abordagem atualizada que leve em consideração uma agenda cada vez mais global.

Durante a Guerra Fria, os Estados Unidos imaginaram o relacionamento com a China como uma forma de integrar o país no sistema internacional, em vez de contê-lo ou isolá-lo. Num ensaio de 1967 na Foreign Affairs, o futuro presidente Richard M. Nixon argumentou que "simplesmente não podemos deixar a China para sempre fora da família das nações, para alimentar as suas fantasias, acalentar os seus ódios e ameaçar os seus vizinhos".

O fim da Guerra Fria deixou o mundo numa situação historicamente incomum: os EUA eram a única hegemonia mundial. A política externa do país, incluindo a exportação da democracia e dos valores liberais, definiu assim a agenda global.

Este estado de coisas deu origem a um esforço para promover a liberalização na China. "Uma Estratégia de Segurança Nacional para uma Era Global", divulgada pela administração do presidente Bill Clinton em 2000, descrevia uma abordagem de envolvimento centrada em encorajar a China a "empreender importantes reformas políticas e económicas".

Hoje em dia, o envolvimento com a China não é muito popular entre os decisores políticos norte-americanos. O governo do ex-presidente Donald Trump rejeitou-o completamente.

Alguns realistas da política externa ecoaram essa afirmação, argumentando que a adesão da China à Organização Mundial do Comércio em 2001 facilitou a sua ascensão como concorrente estratégico dos Estados Unidos. De acordo com essa visão, os EUA foram ingénuos ao pensar que a liberalização económica traria reformas políticas, e mais ainda que isso resultaria na China se tornar um membro responsável da comunidade internacional.

Essa perspetiva passou a permear a política americana nos últimos anos. Num momento em que republicanos e democratas parecem incapazes de chegar a um acordo sobre qualquer coisa, eles estão unidos na necessidade de uma política dura em relação à China.

Mas essa postura tem uma falha fatal. O relacionamento é valioso não apenas pela sua capacidade de mudar a China, estimulando a liberalização política e económica. O envolvimento também molda o ambiente internacional no qual a ascensão da China ocorre de maneiras que desencorajam o país de ter um comportamento de confronto.

Na verdade, o relacionamento EUA-China criou as condições necessárias, embora insuficientes, para evitar o conflito. Ao aprofundar o comércio e os investimentos bilaterais, o envolvimento envolveu as duas economias num grau sem precedentes. As exportações para a China protegeram 1,2 milhões de empregos nos EUA em 2019, enquanto o Grupo Rhodium estima que, no final de 2020, os investidores americanos detinham 1,1 biliões de dólares em ações emitidas por empresas chinesas.

Como Joseph S. Nye argumentou, o efeito dissuasor da interdependência aumenta os custos do confronto tanto para o agressor quanto para a vítima. Por exemplo, em 2010, o Exército de Libertação do Povo Chinês instou o governo a vender algumas das participações em dólares do país para punir os EUA por venderem armas a Taiwan. O Banco Popular da China recuou, citando os custos potencialmente grandes para a economia chinesa. O governo apoiou o banco central.

Mas, embora a interdependência económica possa ajudar a deter o confronto, não levará necessariamente à cooperação. Tudo isso ficou claro durante a crise da covid-19. À medida que a pandemia se desenrolava, os EUA e a China não conseguiram forjar uma resposta comum, recorrendo, em vez disso, à culpa mútua, guerras de propaganda e teorias da conspiração.

Hoje, imperativos urgentes que transcendem as fronteiras, como a gestão de bens públicos globais, estão a definir a geopolítica. Após a recente Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) em Glasgow, a meta de limitar o aquecimento global a 1,5 ° Celsius acima dos níveis pré-industriais permanece viva, mas por pouco. Alcançar isso exigirá um esforço hercúleo, sustentado pela cooperação EUA-China.

Nesse contexto, é vital que os Estados Unidos e a China adotem uma estrutura de relacionamento orientada para a solução de problemas globais e o apoio à cooperação, mesmo em tempos de desacordo. Uma estrutura detalhada sobre ciência e tecnologia, desenvolvida por Valerie J. Karplus da Carnegie Mellon University, sugere uma estratégia de abraçar oportunidades de baixo risco e alta recompensa para cooperação em tempos de tensão e procurar iniciativas mais ambiciosas quando as relações estão numa fase melhor.

Ao mesmo tempo, os EUA e a China devem incorporar um princípio de regularidade no seu relacionamento. Em tempos de incerteza, o confronto provavelmente acontecerá por acidente. Para mitigar esse risco, as duas potências deveriam seguir o conselho do ex-secretário de Estado dos Estados Unidos George Shultz e comprometerem-se a "cuidar do jardim diplomático", isto é, tratar a diplomacia não como algo a utilizar num momento de necessidade, mas como um hábito.

No período pós-Guerra Fria, a abordagem dos EUA em relação ao relacionamento com a China adequava-se aos tempos. Mas os Estados Unidos já não são a única superpotência mundial. Na era que se aproxima, os Estados Unidos serão uma das duas superpotências cercadas por potências médias geopoliticamente relevantes. Isso significa não apenas que os EUA devem mudar a sua abordagem, mas também que as potências médias, que representam uma parcela maior da economia mundial do que os EUA e a China juntos, devem contribuir para gerir a rivalidade sino-americana.

O envolvimento terá, portanto, de se tornar uma responsabilidade partilhada, exigindo que outros atores se apresentem. Isso teria um impacto positivo na segurança internacional, deixando a humanidade em melhor posição para enfrentar os desafios globais urgentes que enfrentamos.

Javier Solana, ex-alto representante da UE para as Relações Externas e Política de segurança, secretário-geral da NATO e ministro dos Negócios Estrangeiros de Espanha, é presidente do EsadeGeo - Centro para a Economia Global e Geopolítica e membro ilustre da Brookings Institution.

© Project Syndicate, 2021.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG