Os EUA e a China depois da covid-zero

A China vive atualmente um período particularmente turbulento da sua história. No final de novembro, semanas depois de o 20.º Congresso do Partido Comunista da China (PCC) ter reafirmado a liderança do presidente Xi Jinping, protestos sem precedentes contra a política de covid-zero de Xi eclodiram nas principais cidades do país.

A decisão de Xi de abandonar a política de covid-zero marca uma mudança radical na estratégia chinesa de contenção da pandemia. O PCC respondeu levantando rapidamente as severas restrições pandémicas da China. Embora as estatísticas oficiais nem sempre ofereçam uma imagem totalmente confiável do que está a acontecer no país, poucos questionam o facto de que um período de sérias complicações está por vir em relação à contenção do vírus na China.

A política interna chinesa dominará provavelmente as manchetes nos próximos meses. O adiamento do acerto de contas da China com a pandemia não deve ofuscar a tarefa urgente de impedir um confronto direto com os Estados Unidos. A reunião do G20 de novembro em Bali, onde as culturas hindu, budista, confucionista, taoista e cristã coexistem pacificamente, ofereceu um cenário ideal para o encontro entre Xi e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Felizmente, a cimeira terminou com uma nota positiva. Tanto Biden como Xi expressaram vontade de redirecionar o relacionamento bilateral e reabrir os canais diplomáticos para discutir, entre outras coisas, a luta contra as alterações climáticas. Biden, por sua vez, procurou assegurar ao mundo que os EUA não procuram uma nova Guerra Fria que "contenha" a China organizando alianças contra ela ou sufoque o seu desenvolvimento económico, e que manterá a política de "uma só China.

Xi, sem surpresa, reiterou as posições familiares da China numa série de questões. Por sua vez, a China não quer impor o seu sistema político fora das suas próprias fronteiras. Ou seja, a China não vê a relação sino-americana como um choque de ideologias e pediu o fim do conflito económico e tecnológico que está em curso.

Enquanto alguns segmentos da política americana se querem separar da economia chinesa, a maioria dos aliados dos EUA não partilha esse sentimento. Durante a sua visita no ano passado a Pequim, o chanceler alemão Olaf Scholz deixou claro que, embora veja muitos riscos em ser excessivamente dependente da China, a Alemanha não apoia o rompimento dos laços económicos. Outros aliados dos EUA, incluindo o resto da União Europeia, Japão e Coreia do Sul, são igualmente protetores das suas relações económicas e tecnológicas com a China, especialmente num momento de dificuldades financeiras.

Os semicondutores têm sido referidos como o "petróleo" do século XXI. Em outubro, o governo Biden decidiu restringir o acesso da China a certas tecnologias de fabrico de chips, uma medida que afetará significativamente a economia chinesa e colocará as duas potências em rota de colisão.

Essas medidas também alimentaram velhos temores. Tendo chegado atrasada à Revolução Industrial, a China perdeu as Guerras do Ópio do século XIX para a Grã-Bretanha e sofreu o que hoje é conhecido como o Século da Humilhação. Os chineses aprenderam a lição e agora aspiram a estar na vanguarda tecnológica. Dada a importância do desenvolvimento tecnológico como pilar básico do poderio militar de um país, não é surpresa que a China considere o fabrico de chips um imperativo de segurança nacional.

Para a China, ser relegado ao estatuto de poder tecnológico de segunda classe equivale a estar exposto à subjugação por países com capacidades militares superiores. Embora a guerra de chips EUA-China seja apenas parte de uma competição estratégica natural entre superpotências, a visão chinesa está mais próxima da de Martin Wolf, do Financial Times, que recentemente chamou às restrições americanas de semicondutores "um ato de guerra económica".

Sem a abertura da China aos mercados mundiais, transição na qual os EUA tiveram papel de destaque, o rápido crescimento da economia chinesa nos últimos 40 anos não teria sido possível. A adesão da China à Organização Mundial do Comércio em 2001 até ajudou a curar algumas das feridas causadas pelo Século da Humilhação. Qualquer tentativa adicional liderada pelos EUA de conter a ascensão económica da China corre o risco de alimentar níveis ainda mais altos de ressentimento nacionalista.

Num mundo cada vez mais definido pela rivalidade geopolítica entre os EUA e a China, a UE exige maior autonomia estratégica, o que tem implicações geopolíticas significativas. Uma das principais tarefas da UE nos próximos anos será definir de forma mais clara a sua posição em relação à China, sem comprometer o seu papel de mediador entre esta e os EUA.

Enfrentar os problemas mais prementes da humanidade - particularmente crises globais como alterações climáticas, recuperação económica, covid-19 e proliferação de armas de destruição em massa - requer cooperação multilateral. Mas a comunidade internacional não pode resolver nenhum deles sem um mínimo de confiança estratégica entre as duas grandes potências mundiais. A reunião Biden-Xi na Indonésia sinalizou que nem toda esperança está perdida. Quando se trata de descobrir como enfrentar os desafios do século XXI, Bali mostrou-nos o caminho.

Javier Solana, ex-alto representante da UE para assuntos externos e política de segurança, secretário-geral da NATO e ministro dos Negócios Estrangeiros de Espanha, é presidente do EsadeGeo - Centro de Economia Global e Geopolítica e Membro Distinto da Brookings Institution.

Eugenio Bregolat, ex-embaixador de Espanha na China, é membro sénior da EsadeGeo e autor de The Second Chinese Revolution (Palgrave Macmillan, 2014).

© Project Syndicate, 2022.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG