Não use o wi-fi do hotel, pelamordedeus!

Estas férias, vai para fora? E quando lá chegar vai querer continuar a usar a internet, certo? Poderá ter a tentação de passar esses dias a utilizar o wi-fi gratuito do hotel mas, por favor, evite fazê-lo. Os riscos são tantos que a conveniência não compensa. Se tiver mesmo de ser, ao menos proteja-se, com uma VPN (já voltamos a este assunto).

O maior problema com as ligações à net a partir de locais públicos é, obviamente, de segurança - ainda que haja muitos casos de mau serviço, lento e sempre "a cair", mas nem valerá a pena entrar por aí. A maioria dos hotéis utiliza ligações abertas, não encriptadas, o que permite a qualquer utilizador mal-intencionado intercetar os dados trocados entre o utilizador e a "rede".

Mesmo aquelas ligações wi-fi que surgem indicadas no computador ou no telemóvel como sendo "seguras", mas que depois exigem que se vá a uma página de login do hotel - ou, pior ainda, quando o estabelecimento sugere que se instale uma app para fazer a ligação (algo que é, no mínimo, insane fazer) - não são melhores. Na prática, o utilizador está a entregar as chaves de acesso daquela ligação a terceiros pelo que, mais uma vez, não há qualquer segurança nesta ligação.

É que não está em causa apenas o facto de os dados poderem ser intercetados. Manter uma ligação deste género é abrir a porta a instalarem-lhe, por exemplo, software malicioso no telefone (nos Androids, tendo em conta a balbúrdia que é a loja - em que se encontram quase tantos "vírus" como programas a sério - torna-se quase suicida seguir a referida sugestão de instalar uma app para se ligar, como estupidamente alguns hotéis dizem aos clientes).

Conclusão: use a sua própria net. Antes de partir, confirme com a sua operadora que tarifário de dados lhe será aplicado no destino - na Europa, o roaming supostamente acabou - e utilize o sistema de partilha de internet do telemóvel para "alimentar" o restante equipamento (laptops, tablets, etc.) que tenha levado consigo.

Caso isto seja incomportável, será então menos mau utilizar a internet do hotel através de uma ligação física (via cabo ethernet) a um portátil. Sempre evita a possibilidade de ser "hackado" pelo ar. Depois, use a partilha de internet do computador para criar a sua própria rede wi-fi para os telemóveis e/ou tablets.

Use uma VPN

Seja como for, a opção de utilizar uma VPN (virtual private network) é sempre aconselhável.

Como o nome indica, uma VPN é uma ligação virtualmente privada entre computadores feita através da internet. Ou seja, em qualquer parte do mundo, a sua ligação entre máquinas é feita como se elas estivessem numa rede local, própria e segura.

Qualquer um pode criar a sua própria VPN, o que não é complicado por aí além mas implica alguns conhecimentos de informática - além de passar a ser necessário manter, em casa, pelo menos um computador permanentemente ligado à internet, o que pode não ser prático.

A alternativa é, simplesmente, contratar um serviço de VPN. Há várias empresas que o fornecem e, objetivamente, não é caro.

O ExpressVPN e o NordVPN são dois deles. Ambos têm servidores em dezenas de países, incluindo Portugal, os sites são claros e fornecem tutoriais de configuração para praticamente todos os sistemas (e em português).

Como bónus, a utilização de uma VPN destas ainda lhe permitirá aceder a sites ou aplicações sem restrições geográficas. Quer ver toda a oferta do Netflix americano ou as séries do Hulu, que nem sequer há cá? Com uma VPN, pode.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG