Alguém na oposição tem de dizer ao povo que o rei vai nu

Ser jornalista é fazer perguntas, mas não compete aos jornalistas substituir a oposição. Feitas as perguntas, obtidas as respostas, deve ser o poder político a fazer o debate sobre as consequências da informação conhecida. Quando um jornal toma uma posição sobre um assunto que diz respeito a todo o país ou um jornalista dá a sua opinião contribuem para o debate público e, quando entrevistam os responsáveis políticos ou revelam informações cruciais, os jornalistas cumprem a sua função. No fim, o que conta é o que os eleitos decidem. Terá de ser a ministra da Administração Interna a decidir ou, por ela, o primeiro-ministro sobre as condições políticas que existem para se manter no cargo. À oposição compete determinar em que momento e em que circunstâncias deve exigir responsabilidades políticas. O tempo da política não é o tempo do jornalismo, nem do comentário.

Sendo evidente que por ter havido uma tragédia ela não é resolvida só porque alguém se demite, sendo igualmente verdade que sem responsabilidades determinadas se torna difícil defender que alguém as assuma, há na dimensão da tragédia uma obrigação ética de procurar a verdade, para que ela, de forma clara e concisa, seja apresentada a todos os portugueses.

Ultrapassada a fase de luto, é tempo da política. Mesmo fragilizada pela asneira de procurar proveitos políticos em alegados suicídios, a oposição liderada por Pedro Passos Coelho tem de dizer ao povo que o rei vai nu. A máquina de comunicação do governo está claramente a controlar a gestão da informação, de uma forma que, quando chegar a altura de se tirarem conclusões, todos nós teremos a sensação de já saber tudo, não sabendo nada na verdade.

Olhemos para um pormenor da entrevista de Constança Urbano de Sousa ao DN e à TSF. A ministra defendeu que não se podem estar a lançar "inquéritos sobre inquéritos". O que faz o governo? Lança inquéritos sobre inquéritos. A questão é que a ministra tem toda a razão no que diz e não no que faz, porque - como também diz nessa entrevista - "a resposta tem de ser dada de forma cabal e não pode ser dada de forma parcelar ou de forma intermitente". Pois que é assim que ela nos tem chegado.

Acresce que esta forma de informar tem como consequência uma grande desinformação. As comunicações falharam ou não falharam? Falharam na opinião da Associação Nacional de Proteção Civil, mas estiveram bem no relatório do próprio SIRESP. Idem com a GNR. O governo andou a ser enganado durante o período que durou o combate ao incêndio, com cada organismo a dizer-lhe uma coisa diferente, e agora vende à opinião pública como comprou. Acontece que o governo já sabe que comprou estragado e mesmo assim desiste de, "com seriedade, analisar e cruzar" a informação de modo a evitar "conclusões precipitadas", como também defendeu a ministra na entrevista.

Com esta informação que nos chega às pingas, de forma contraditória e parcelar, o executivo alega que está a agir com toda a transparência. Pode até ser que seja essa a intenção, mas as consequências começam a estar à vista. Longe de ter a comissão independente de peritos a funcionar, a informação com que essa comissão vai trabalhar já está altamente condicionada.

O pior que nos podia acontecer a todos, mesmo aos que estão no governo, era chegar ao fim desta história e não ter percebido nada do que se passou. Até agora, só nos deram guerras de versões contraditórias. Entre os que dizem que pouco ou nada falhou e os que dizem que falhou quase tudo há 64 mortos contabilizados.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.