As linguagens têm sexo?

Em cinema, o que define a força de uma narrativa realista não é a mera verosimilhança de cenários e guarda-roupa. É, isso sim, a proximidade existencial das personagens e respetivas ações - numa história contemporânea, poderá ser a sensação de que, direta ou indiretamente, conhecemos pessoas como aquelas que nos são apresentadas no interior de uma determinada história. Com Amor, Simon é um filme com essas qualidades, até porque os seus jovens são interpretados por um magnífico elenco em que é forçoso destacar a complexa sobriedade de Nick Robinson, no papel de Simon (tínhamo-lo visto, por exemplo, em Mundo Jurássico, lançado em 2015).

Por pedagógica ironia, vale a pena referir que a pulsão realista do filme se "desmancha" em dois momentos emblemáticos. Um deles é uma breve e sugestiva sequência musical em que Simon se imagina como protagonista de uma performance organizada a partir do arco-íris da bandeira LGBT - dir-se-ia que o filme quer lembrar que a afirmação de um símbolo pode e deve saber integrar as mais diversas linguagens (incluindo a do cinema musical). A outra, divertidíssima, propõe uma variação daquilo que é, ou parece ser, o drama central de Simon. A saber: a "obrigação" de se assumir como homossexual perante todos os seus interlocutores familiares, escolares e sociais. Que vemos, então? Uma série de personagens a revelar aos outros, em tom de esforçado confessionalismo, um facto insólito: nunca o disseram a ninguém, mas são... heterossexuais!

A comédia (e, em particular, a tradição da comédia de Hollywood) passa por aqui. Entenda-se: não se trata de minimizar, muito menos de ignorar, as formas de marginalização ou repressão dos homossexuais. Trata-se, isso sim, de lembrar que também as linguagens narrativas são polimorfas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.