A última hipótese

Toda a humanidade acha que Deus deve estar muito ofendido. Mesmo a pequena minoria que não acredita na Sua existência percebe que, se Ele existe, tem fortes razões de queixa. Todos, mesmo optimistas e empenhados, vêem as terríveis nuvens que assombram o nosso tempo.

Destruímos a natureza, sentindo-se já gritantes as reacções do clima e as devastações da vida. Na própria humanidade, multiplicam-se as agressões à natureza, com promoção aberta do aborto, eutanásia, adultério, homossexualidade, perversão, clonagem e manipulação embrionária. Estes temas são extremamente controversos, como são as questões político-económicas da desigualdade, da injustiça e da marginalização, também crescentemente assustadoras. Por isso, há inúmeras razões de conflito, num tempo em que a guerra e violência adquiriram meios de destruição antes inimagináveis. Vivemos uma era crucial, onde o balanço global da humanidade, embora encontre muitas coisas boas, dignas e elevadas, permanece negativo e em queda.

A pergunta razoável, a única pergunta lógica perante este panorama é: que devo fazer acerca disso? Esta questão é urgente e implacável. Temos de evitar a falácia de achar que questões tão vastas apenas competem aos grandes do mundo. Todos somos responsáveis e cada um, naquilo que fez pessoalmente, será julgado pela sua consciência, antes de o ser pelo poder supremo. Somos parte da humanidade, parte do problema, e a nossa atitude é relevante aqui e agora.

Infelizmente, a resposta à pergunta exige escolher uma visão particular da realidade. Os parágrafos anteriores, descrevendo a questão, dirigiam-se a toda a gente, independentemente de convicções acerca do nosso destino. Mas qualquer solução só nasce de uma forma particular de olhar o mundo. Não é possível dar passos no sentido da resposta sem optar por uma convicção concreta.

Apesar disso, ainda é possível dizer a toda a humanidade que a única hipótese de esta reflexão ter sentido, de ainda ser possível fazer alguma coisa acerca das nossas desgraças, é Aquele a quem ofendemos ser paciente e compreensivo. Se não o for, está tudo perdido. Essa é precisamente a convicção de mais de metade da humanidade - cristãos, muçulmanos e judeus -, que acredita no Deus de Abraão. Se é assim, o poder supremo que a humanidade está a ofender como nunca antes é um Deus clemente e misericordioso, sempre pronto a perdoar e a compadecer-se. Na Bíblia e no Alcorão são muitas as histórias dos tempos antigos em que o povo ofendeu fortemente a Deus, foi castigado severamente, mas, mesmo assim, tratado de forma muito mais benevolente do que merecia, sendo no final perdoado por Alguém que prefere sempre a misericórdia ao sacrifício. Só nestas condições vale a pena contemplar a triste realidade do nosso tempo. Com um juiz impiedoso, como o ambiente, a Terra e a natureza, ou mesmo com um juiz justo e equilibrado, já estaríamos condenados.

Na próxima sexta-feira passa o centenário de um acontecimento que é provavelmente a última hipótese da humanidade. O milagre do Sol, que aconteceu na Cova da Iria a 13 de Outubro de 1917, chamou instantaneamente a atenção de todo o mundo para a "mensagem de Fátima". Nela, o aspecto central é tratar precisamente deste tema decisivo. A última coisa que a Aparição disse há cem anos foi: "Não ofendam mais a Nosso Senhor, que já está muito ofendido!" Isto é algo que, como vimos, toda a gente do planeta consegue entender. Todos, mesmo os que não acreditam n"Ele, sabem bem por que razão Deus deve estar ofendido.

A mensagem que Nossa Senhora revelou é composta por duas partes. A segunda, o segredo, descreve de forma arrepiante aquilo que depois viria a acontecer: as horríveis misérias do século XX, com todo o cortejo de violência, injustiça e sofrimento. Mas essa parte, que ficou oculta e só viria a ser revelada mais tarde, é a menos importante, até porque ficou datada no tempo. Aquilo que verdadeiramente interessa estava conhecido logo em 1917 e permanece hoje tão actual como então. Trata-se da primeira parte da mensagem de Fátima, a solução para esses males: rezar o terço todos os dias, fazer penitência pelos pecadores e consagrar-se ao Imaculado Coração de Maria.

Estas três coisas são incompreensíveis para grande parte da humanidade e desprezadas por muitos outros. Mas se esses desdenham o tratamento, não podem negar a doença e a dificuldade de a curar. Na verdade, os que recusam Fátima não têm melhores ideias para propor. Somos herdeiros de inúmeras doutrinas, sistemas, modelos, planos e programas para lidar com os males da humanidade, a qual, como vimos, está cada vez pior. Cem anos após o milagre, que nenhuma dessas alternativas apresentou, o mistério de Fátima permanece diante da humanidade como uma solução para os nossos males. Esta resposta, muito mais simples e barata do que as propostas que têm falhado, é das poucas que se mantêm credíveis. E precisamos com urgência de uma solução.

Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.