Alargo ma non troppo

Ogrande alargamento da União Europeia, em 2004, foi o fim de uma história. Com a entrada da Polónia, da Hungria, da República Checa e da Eslováquia, mas também de Estónia, Letónia e Lituânia (sobretudo estes sete), no clube das democracias e economias de mercado europeias terminava a Guerra Fria. Não era o fim da história, mas era o fim daquela história. E sendo certo que o mais importante correu bem, nem tudo correu pelo melhor. Há tensões, há dúvidas, e há, sobretudo, risco de retrocesso em alguns destes países. A democracia, já aqui disse, é um hábito, e não parece que por ali esteja suficientemente enraizado. Mas se não tivesse sido assim, teria sido certamente pior.

Quem hoje defende que teria sido preferível (para a União Europeia, presume-se) que a Europa não se tivesse aberto a Leste precisa de explicar como é que a Europa seria hoje mais próspera e segura. Dentro e fora dessas fronteiras.

Não ter alargado então, ter deixado à porta todos aqueles povos, teria sido bem pior para eles e para nós. Para eles, porque sem possibilidade de novos mercados, e de apoio institucional e financeiro, facilmente teriam retrocedido; para nós, porque esse retrocesso seria bem pior do que aquilo que hoje nos parece grave, e aconteceria sem que tivéssemos qualquer capacidade de influenciar o que se estaria a passar nas nossas fronteiras muito mais próximas. Compare-se a Ucrânia com a Polónia ou a Hungria, em caso de dúvida.

Mas nos anos 1990 a divisão não era sobre o risco que aqueles países poderiam representar para o conceito de Europa que tínhamos, era, essencialmente, entre quem queria mais aprofundamento (leia-se integração europeia) primeiro, e alargamento depois (os federalistas); e quem defendia o alargamento antes de todas as coisas (conscientemente ou não, sabendo que quanto mais Estados membros, menos provável era o federalismo).

A situação atual é diferente e o que se pensar sobre o alargamento de 2004 não é necessariamente um bom guião para pensar os próximos, aos Balcãs. A urgência de então não existe hoje. A necessidade de uma âncora democrática e ocidental não é a mesma. E os riscos, para uns e para outros, também são diferentes. O problema não é interno. Isto é, não se trata de aprofundar antes de alargar. Não é preciso aprofundar - pelo menos não é preciso aprofundar tanto quanto alguns eurofederalistas quereriam. Mas é necessário garantir que do lado de lá, dos que estão fora, estão reunidas todas as condições. Que a democracia se tornou um hábito, com raízes. Que é como quem diz, com instituições. Incluindo a paz, a memória da paz e sistemas políticos e judiciais fiáveis. Para começar.

A Comissão Europeia publicou, há dias, um mapa para o futuro dos alargamentos. Depois de um período de abrandamento, agora promete que os processos são para avançar, mas com condições e conforme a situação de cada um (que é diferente, do Montenegro ao Kosovo). É o correto. A bem de todos, a Europa, e os países candidatos, podem esperar. Até que todos os candidatos estejam, de facto, prontos. Mas sem duvidar do objetivo.

Consultor em Assuntos Europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.