Alargo ma non troppo

Ogrande alargamento da União Europeia, em 2004, foi o fim de uma história. Com a entrada da Polónia, da Hungria, da República Checa e da Eslováquia, mas também de Estónia, Letónia e Lituânia (sobretudo estes sete), no clube das democracias e economias de mercado europeias terminava a Guerra Fria. Não era o fim da história, mas era o fim daquela história. E sendo certo que o mais importante correu bem, nem tudo correu pelo melhor. Há tensões, há dúvidas, e há, sobretudo, risco de retrocesso em alguns destes países. A democracia, já aqui disse, é um hábito, e não parece que por ali esteja suficientemente enraizado. Mas se não tivesse sido assim, teria sido certamente pior.

Quem hoje defende que teria sido preferível (para a União Europeia, presume-se) que a Europa não se tivesse aberto a Leste precisa de explicar como é que a Europa seria hoje mais próspera e segura. Dentro e fora dessas fronteiras.

Não ter alargado então, ter deixado à porta todos aqueles povos, teria sido bem pior para eles e para nós. Para eles, porque sem possibilidade de novos mercados, e de apoio institucional e financeiro, facilmente teriam retrocedido; para nós, porque esse retrocesso seria bem pior do que aquilo que hoje nos parece grave, e aconteceria sem que tivéssemos qualquer capacidade de influenciar o que se estaria a passar nas nossas fronteiras muito mais próximas. Compare-se a Ucrânia com a Polónia ou a Hungria, em caso de dúvida.

Mas nos anos 1990 a divisão não era sobre o risco que aqueles países poderiam representar para o conceito de Europa que tínhamos, era, essencialmente, entre quem queria mais aprofundamento (leia-se integração europeia) primeiro, e alargamento depois (os federalistas); e quem defendia o alargamento antes de todas as coisas (conscientemente ou não, sabendo que quanto mais Estados membros, menos provável era o federalismo).

A situação atual é diferente e o que se pensar sobre o alargamento de 2004 não é necessariamente um bom guião para pensar os próximos, aos Balcãs. A urgência de então não existe hoje. A necessidade de uma âncora democrática e ocidental não é a mesma. E os riscos, para uns e para outros, também são diferentes. O problema não é interno. Isto é, não se trata de aprofundar antes de alargar. Não é preciso aprofundar - pelo menos não é preciso aprofundar tanto quanto alguns eurofederalistas quereriam. Mas é necessário garantir que do lado de lá, dos que estão fora, estão reunidas todas as condições. Que a democracia se tornou um hábito, com raízes. Que é como quem diz, com instituições. Incluindo a paz, a memória da paz e sistemas políticos e judiciais fiáveis. Para começar.

A Comissão Europeia publicou, há dias, um mapa para o futuro dos alargamentos. Depois de um período de abrandamento, agora promete que os processos são para avançar, mas com condições e conforme a situação de cada um (que é diferente, do Montenegro ao Kosovo). É o correto. A bem de todos, a Europa, e os países candidatos, podem esperar. Até que todos os candidatos estejam, de facto, prontos. Mas sem duvidar do objetivo.

Consultor em Assuntos Europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Carpe Diem

No épico anglo-saxão Beowulf conta-se que a Grande Rainha Modthryth, sempre que apanhava um súbdito temerário a olhá-la directamente, mandava de imediato amarrá-lo, torturá-lo e esquartejá-lo. No caso da Rainha da Televisão Generalista (©) estas restrições bárbaras não se aplicam: os súbditos não só podem olhá-la directamente como muitas vezes não têm outro remédio. Podem olhá-la directamente no quiosque, podem olhá-la directamente no blogue, podem olhá-la directamente no Instagram, e podem olhá-la directamente no ecrã - de manhã, ao fim da tarde, e até ao sétimo minuto do Jornal da Noite (SIC) de segunda-feira, altura em que Rodrigo Guedes de Carvalho interrompeu pacientemente o alinhamento ("já vamos continuar a perceber como correu o início deste ano lectivo, mas para já...") e anunciou que "a grande contratação do ano" acabara de chegar ao Palácio de Carnaxide, onde vai reinar durante os próximos anos. Anunciou também que a figura contratada pela SIC "por valores nunca dantes navegados" (sic) ia ser submetida a uma "entrevista longa, em que responderá a todas as perguntas que forem jornalisticamente relevantes".

Premium

Germano Almeida

Sequelas do Prémio Camões

Aos domingos, lá pelo meio da manhã, gosto de parar na porta da Nim para dois dedos de conversa, que termina sempre na discussão das qualidades das papaias que ela me convence a comprar. A Nim tem um posto de venda no mercado da Praça Estrela onde, durante a semana, comerceia as verduras que o marido vai buscar em Santiago e no Fogo. Como aos domingos o espaço fica fechado, ela alinha os balaios com a sua mercadoria no passeio em frente da casa, e vestida de um longo avental e um rasgado sorriso, senta-se num banquinho e espera pachorrenta pelos eventuais fregueses. Mas tu nunca descansas, pergunto-lhe. Para quê, responde encolhendo os ombros, este trabalho não cansa, estou aqui sentada, vejo passar pessoas, trocamos mantenhas e novidades, e sempre vou vendendo alguma coisa, tenho três filhos no chão para criar e o planeta não está de brincadeira. Num dia de semana entrei no mercado e não a encontrei. Que é feita da Nim, perguntei a uma vendedeira vizinha. A Nim foi ao cabeleireiro, respondeu. O quê, exclamei espantado, que lhe deu para ir ao cabeleireiro, ainda por cima num dia como hoje? Ela tem um casamento amanhã, hoje podes comprar em mim. É que a Nim tomou-me como sua propriedade: Ele é meu homem, grita para as colegas, ele só compra em mim. E para garantir isso, quando não tem papaia, ela mesma sai a procurar junto das outras para mim.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O legado de Joana Marques Vidal

Os últimos meses foram marcados pelo tema da (não) recondução da procuradora-geral da República, desde que a ministra da Justiça avançou há nove meses com a ideia de que a interpretação que fazia do texto constitucional é que se tratava de um longo e único mandato. Além da lamentável extemporaneidade destas declarações, a tantos meses do término do mandato ficou muito claro desde início que a questão subjacente à recondução de Joana Marques Vidal era de natureza política e não de carácter jurídico.

Premium

António Araújo

Ex-votos

No Estio de 1736, em dia que se ignora, saiu em sua mulinha o beneficiado Manuel Antunes, natural de Barbacena. No caminho das Portas da Esquina para a Horta dos Passarinhos havia uma ladeira pedregosa e íngreme, onde se lhe espantou a mula, por razões desconhecidas. Uma e outra vez caiu ao chão o clérigo, ficando muito ferido, e em muita aflição. Naquele aperto, suplicou aos céus, salvou-se. Em cumprimento da promessa feita, mandou reparar a tosca cruz que por lá havia, campos da Torre das Arcas. O lugar rapidamente ganhou fama de milagreiro. Fez-se então a romaria que ainda hoje perdura. E ergueu-se a ermida que tem o nome de Igreja do Senhor Jesus da Piedade de Elvas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Saúde e sustentabilidade democrática 

Penso que não há ninguém que refute que uma das características indissociáveis de toda e qualquer sociedade democrática é a sua capacidade de debater, de uma forma que se quer construtiva e evolutiva, também sobre si mesma e os seus índices de desenvolvimento. Na nossa perspetiva ocidental e europeia, o conceito de democracia parece já enraizado por todos e em todos, ao ponto da quase estagnação. Mas será aconselhável estarmos, enquanto país ou até como membro integrante da união política e económica, tão descansados assim?