Orlando Costa, anticolonialista

No domingo publiquei a entrevista que o primeiro-ministro deu ao DN antes de partir para Angola. Eu quis saber o que significava para ele, António Costa, essa visita a uma ex-colónia. E descrevi, por laços familiares, essa ligação, dizendo de um goês que nasceu em Moçambique, o seu pai Orlando Costa, "que é um filho do império português e foi um anticolonialista." Na entrevista, gravada, a minha formulação foi essa: "um filho do império português e anticolonialista."

Na entrevista, invocava eu, pois, o pai de António Costa, Orlando Costa (1929-2006), "filho do império." De origem goesa e nascido em Moçambique. Se eu estava a entrevistar o atual primeiro-ministro português sobre uma importante, polémica e esperançosa visita, havia que dar a dimensão do acontecimento. É que nós não somos a Bélgica e a breve propriedade do rei da Bélgica, o antigo Congo. Somos Portugal e África, uma história profunda e dolorosa, extraordinária. Colonial, portanto brutal e odiosa; e também de encontro, portanto cultural, da qual a expressão maior é a língua comum que é a dos dois países da entrevista.

Então, fui por Goa (outro encontro, em outro continente) ligando-se a Moçambique. Sabem que a Ilha de Moçambique e os seus territórios fronteiros no continente, até ao vale do Zambeze, foram governados em Seiscentos e Setecentos, não por Lisboa mas a partir de Goa? Na Zambézia, as doações e ocupação das terras eram feitas por leis que foram inventadas para o Estado da Índia e a propriedade das terras era transmitida pelo lado feminino, as "donas", casadas com portugueses e goeses, e únicas herdeiras da posse dos bens e das terras.

Em 1798, o brasileiro Francisco de Lacerda, enviado para África por D. João VI, partiu de Tete para unir o Índico ao Atlântico e foi uma "dona" da Zambézia que lhe forneceu a caravana. O paulista Lacerda tinha estudado astronomia em Coimbra e já havia traçado muito das fronteiras brasileiras. Mas o sertanejo parou a viagem a meio e morreu... Talvez a sua última refeição tenha sido cassava, farinha de mandioca - brasileira, portanto - e que já tinha chegado há muito, e pelos portugueses, ao centro de África. Para saber de Lacerda partiram dois pombeiros (comerciantes do mato), angolanos em viagem ao contrário, que fizeram a primeira travessia de África, de Angola a Quelimane, meio século antes de Livingstone.

Muitos anos depois, Orlando Costa nasceu em Lourenço Marques (hoje, Maputo), filho de um goês e de uma moçambicana - como antigamente os homens vindos do Estado de Índia se casavam com as "donas" da Zambézia. Orlando Costa nasceu, pois, "filho do império português". A família regressou a Goa e, estudante, ele chegou a Lisboa em 1947. Aí, do acaso histórico que o fez nascer, ele fez-se o que quis ser. Frequentou a Casa dos Estudantes do Império (CEI) que por duas décadas cruciais (1944-1965) do independentismo africano juntou a elite nacionalista das diversas colónias, até que a PIDE a fechou. Costa foi companheiro dos angolanos Agostinho Neto e Mário Pinto de Andrade, do guineense Amílcar Cabral e do moçambicano Marcelino dos Santos, que viriam a ser dirigentes da luta de libertação dos seus países.

Orlando Costa, "filho do império" e "anticolonialista", pois. Como eu disse, na pergunta que fiz ao primeiro-ministro. O frequentador da CEI, o militante do PCP durante a ditadura, o preso pela PIDE e o escritor com vários livros apreendidos, Orlando Costa, teve sobre a questão colonial uma coerência cívica notável, foi contra e militante.

Ora, na transcrição da entrevista, a passagem da gravação para texto, transformou a minha frase dita sobre Orlando Costa - "que é um filho do império português e foi um anticolonialista" - para outra coisa. Esta: "que é um filho do império português e antigo colonialista." Uma irresponsabilidade que é só minha permitiu que a tolice fosse publicada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG