Touradas: Cultura de liberdade vs. Cultura autoritária

No próximo dia 6 de Julho estaremos novamente no Parlamento a debater um conjunto de iniciativas do PAN, BE e PEV, que têm todas como objetivo acabar com as corridas de touros.

Se, no passado, as tentativas destes partidos, populistas, demagógicos e antidemocráticos, todas falhadas, eram mais ou menos encapotadas, desta vez, o PAN propõe explicitamente o fim das corridas de touros e o Bloco de Esquerda e o PEV propõem o fim dos apoios públicos, quer financeiros, quer institucionais, a todos os espectáculos tauromáquicos, o que inclui também as largadas e outras manifestações populares com a presença do touro bravo.

Os argumentos vão de análises históricas a estudos "mais ou menos científicos" que levam qualquer pessoa menos informada às conclusões pretendidas - que as corridas são uma barbárie e de quão selvagens e retrógrados são todos quantos as apoiam e assistem. O BE também considera os espectáculos violentos e capazes de influenciarem "negativamente a formação da personalidade de crianças e adolescentes", pelo que não deverão ser transmitidos na televisão sem "bolinha vermelha", e sempre depois das 22h30.

O que perpassa todas estas iniciativas é a posição totalitária, prepotente e antidemocrática destes partidos, que pretendem impor a toda uma sociedade aquela que é a sua visão, não aceitando, e condenando até, quem pensa diferente.

De Vinhais a Albufeira, todos os anos, cerca de meio milhão de portugueses - os aficionados e os não aficionados, mas que apreciam o espectáculo taurino - assistem a corridas de touros nas praças. 32,7% dos portugueses afirmam-se aficionados (dados Eurosondagem), fora todos os que a elas assistem na televisão, e que foram cerca de 2 milhões em 2017. Concluímos assim que somos, portanto, cerca de 3 milhões e meio de bárbaros em Portugal! Um terço da população! E há ainda outro terço da população que, não gostando da modalidade, não assiste, mas democraticamente respeita quem gosta.

Na ânsia de atingirem o seu objetivo, estes partidos não olham a meios, usando argumentos falsos, deturpando a realidade e mascarando os números, muito ajudados pela maravilha que é hoje a evolução tecnológica, que permite vidas em realidade virtual, na qual uma única pessoa se pode multiplicar em vários perfis digitais e onde um simples ajuntamento de pessoas se torna numa multidão! Tudo potenciado, claro está, pelas redes sociais, que têm tanto de bom como podem ter de pérfido.

Podia argumentar que o touro bravo é criado em liberdade, no campo, e que a raça foi apurada por um longo processo de seleção natural, no qual são escolhidos, como melhores exemplares, precisamente os que revelam mais bravura e que, sem touradas, a raça desapareceria, levando, obviamente, a uma perda de biodiversidade, o que é verdade!

Podia argumentar que estes partidos não sabem nem nunca saberão o verdadeiro sentido da coragem, bravura e solidariedade dos forcados que, em conjunto, enfrentam o touro, numa verdadeira luta do Homem com a besta que tem raízes míticas ancestrais, o que é verdade! Podia ainda argumentar que estes partidos não sabem o que é viver no campo, no mundo rural, onde as corridas e as largadas de touros são uma matriz identitária do nosso património cultural, o que é verdade também e foi confirmado pela ERC! Mas julgo que bastará dizer que os verdadeiros motivos são mais uma tentativa de doutrinação da sociedade numa visão castradora da liberdade individual, que é tão característica destes partidos radicais.

O BE, por exemplo, que acusa a tauromaquia de ser uma afronta aos direitos fundamentais das crianças e adolescentes a terem um desenvolvimento saudável, livre de perigo e que lhes permita tornarem-se adultos que se pautem pelos valores de respeito, dignidade, tolerância, igualdade e solidariedade, é o mesmo BE que promove acampamentos de verão onde os jovens podem participar em "workshops" sobre temas como: "Trabalho sexual: o direito ao corpo"; "Direito à boémia: necessidade de vida noturna para produção e radicalização cultural" (contra as touradas certamente também), ou ainda "Desobediência Civil", só para citar alguns temas.

É caso para perguntarmos: quais dos valores pretendemos dar aos nossos jovens? Eu já fiz a minha escolha!

Deputada CDS-PP

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.