Filhos mais de Kant do que de Hegel

Peço licença para voltar à questão da identidade e autonomia do Partido Socialista. O seu debate é o melhor antídoto contra a tentação (inerente, não vale a pena escondê-lo, a partidos de governo) de reduzir a ação política à conquista e exercício do poder, ou fazer da competição política apenas uma comparação entre desempenhos gestionários de um sistema que se dá implicitamente por constante. A ideologia, palavra nobre que designa visões e propostas para o mundo, é que permite confrontar a prática com os valores e as convicções que professamos. É também o que nos afasta das derivas aparelhísticas que encaram o poder como um fim em si mesmo e dos tropismos tecnocráticos que fazem o mesmo da gestão.

Por isso é crucial, quando reunimos para avaliar o caminho feito e projetar o caminho a fazer (como o PS fará no congresso do próximo fim de semana), trazermos as ideias para o centro da reflexão. O que é que define, hoje, a identidade da (na fórmula que prefiro) esquerda democrática que o PS representa em Portugal e, portanto, a sua posição no espaço político nacional?

A meu ver, duas escolhas. Quanto aos fins, o sem fim que é a democracia: a democracia como respeito pela dignidade humana, pela liberdade, a igualdade perante a lei, o reconhecimento e a não discriminação; a democracia como autogovernação da sociedade, em que cabe ao eleitorado a palavra determinante; a democracia como realização dos direitos e garantia do direito; a democracia como enquadramento e limitação da economia de mercado e do capitalismo; a democracia como justiça na promoção das capacidades, na distribuição dos rendimentos e na igualização das oportunidades; a democracia como melhor combinação possível entre crescimento, sustentabilidade e bem-estar; a democracia como referencial para a ação internacional, empenhamento na integração europeia, numa ordem mundial baseada em regras e no multilateralismo. Quanto aos meios, o reformismo: sermos progressistas porque não tememos a mudança e nos orientamos para o futuro; sermos cosmopolitas porque combatemos os fechamentos e acreditamos na força criadora da diversidade e da mistura de povos, credos e tradições; sermos moderados porque preferimos as ações concretas que preservam as instituições e melhoram o seu desempenho às grandes ruturas que as desprezam e custam em violência muito mais do que o pouco que geram de mudança efetiva.

Não digo que o PS tenha o exclusivo de qualquer dessas opções. Mas afirmo que é quem melhor representa o conjunto delas, em Portugal ou, através da família democrática e socialista, na Europa. Aqui residem a sua identidade e autonomia.

Não é um catecismo; é uma referência ética e programática que se vai transformando ao longo da história. Seria um erro trágico ignorar a natureza dinâmica e mutável da nossa ideologia, pregando imobilismos dogmáticos, revivalismos anacrónicos ou retornos a imaginários paraísos perdidos. Quando peço que consideremos o esforço de atualização feito, há 30 anos, pela dita Terceira Via, não sugiro que regressemos a ela - teve o seu tempo, mostrou méritos e limitações, agora outros desafios nos confrontam. E o mesmo alegarei quanto aos momentos seminais em que os socialistas renunciaram ao derrube do capitalismo e incorporaram a democracia (na transição dos século XIX e XX), construíram os grandes sistemas públicos de saúde e segurança social (no pós-Guerra) ou lideraram a agenda europeia da inovação e da qualificação (no fim de Novecentos). Todos fazem parte da nossa história. Nenhum basta para responder ao presente.

As duas moções de maior alcance doutrinário apresentadas ao congresso do PS seguem este caminho de atualização. A de António Costa identifica as novas áreas em que as políticas públicas devem focar-se, da demografia ao clima; a de Pedro Nuno Santos em boa hora revalida um lema político decisivo, que, em 2004, aquando da candidatura de Manuel Alegre a secretário-geral, havíamos cunhado como o "Estado estratega" - o Estado que não apenas protege, não apenas garante, não apenas redistribui, mas também, através da legitimidade democrática, orienta e lidera o desenvolvimento económico e social

O meu intuito não é exagerar querelas doutrinárias. Acredito que todos os que se não se limitam à gestão do dia-a-dia e aos exercícios de poder se revejam na matriz que resumi. Quero apenas dizer aos que, dentro e fora do PS, veem na corrente maioria parlamentar não a necessária e positiva convergência conjuntural de forças políticas autónomas e distintas mas a promessa de uma evolução estrutural pela qual redimiriam o PS do "pecado" centrista e o fariam regenerar-se pelo Espírito da Esquerda (assim mesmo, em hegelianas maiúsculas, superando dialeticamente contradições) que estão profundamente enganados.

É tão atual agora como foi há 200 anos a fratura crucial da modernidade entre os que, filhos de Kant, acreditam no liberalismo, no império da lei, na razão crítica conhecedora da sua força e dos seus limites, no imperativo moral de sobrepor o interesse coletivo ao interesse particular, no cosmopolitismo e na busca permanente das instituições que facilitem a "paz perpétua"; e os que, filhos de Hegel, veneram ainda a razão absoluta, têm uma visão teleológica da história e admitem que a violência seja um preço aceitável para o triunfo ulterior do bem.

Alguma coisa de Hegel teremos, por sermos como somos modernos. Mas a grande vantagem histórica dos sociais-democratas, trabalhistas e socialistas europeus e dos liberais americanos foi terem preferido Kant e a moderação cosmopolita das democracias às utopias do fim da história - em que muito significativamente soem encontrar-se esses inimigos íntimos que são a revolução neoconservadora e a revolução radical. Tornou-nos isso perfeitos? Claro que não - como bons kantianos, desconfiamos visceralmente da perfeição. Mas tornou-nos coerentes, singulares e indispensáveis ao espaço político contemporâneo.

Como se vê por estes anos em Portugal, em que fomos capazes de arquitetar um arranjo parlamentar que trouxe estabilidade institucional, políticas económicas e sociais progressistas e equilíbrio orçamental, num quadro tipicamente europeu e através de medidas tipicamente gradualistas. Isto é: em que somos nós mesmos, no nosso lugar e no nosso papel.

Augusto Santos Silva é Ministro dos Negócios Estrangeiros e membro da Comissão Política do PS

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".

Premium

António Araújo

Virgínia, a primeira jornalista portuguesa

Estranha-se o seu esquecimento. É que ela foi, sem tirar nem pôr, a primeira jornalista portuguesa, a primeira mulher que exerceu a profissão de repórter nos moldes que hoje conhecemos. Tem o seu nome nas ruas de algumas localidades (em Lisboa, no bairro de Caselas), mas, segundo sei, não é sequer recordada pela toponímia da sua terra natal, Elvas, onde veio ao mundo às cinco da madrugada do dia 28 de Dezembro de 1882. Seu pai era oficial de Cavalaria, sua mãe doméstica (e também natural de Elvas), seus irmãos militares de fortes convicções republicanas; um deles, Carlos Alberto, chegou a estar na Rotunda em Outubro de 1910 e a combater as tropas de Couceiro por bandas de Trás-os-Montes.

Premium

Marisa Matias

É ouro, senhores

Chegar à União Europeia não é igual para toda a gente, já se sabe. Em vários países da União Europeia - treze mais em concreto - ter dinheiro é condição de porta aberta. Já se o assunto for fugir à morte ou procurar trabalho, a conversa é bem diferente. O caso a que me refiro é o dos vistos gold. Portugal integra a lista de países com práticas mais questionáveis a este respeito. Não sou eu quem o diz, os dados vêm do Consórcio Global Anticorrupção e da Transparency International.

Premium

Germano Almeida

Parlamentares

A notícia segundo a qual dois deputados nacionais ultrapassaram a fase dos insultos verbais e entraram em desforço físico junto ou dentro do edifício do Parlamento correu as ilhas e também pelo menos a parte da diáspora onde chegam as nossas emissões, porque não só a Rádio Nacional proporcionou ao facto abundante cobertura, como também a televisão lhe dedicou largos 22 minutos de tempo de antena, ouvindo não só os contendores como também as eventuais testemunhas da lide, e por fim um jurista, que, de código em punho, esmiuçou a diferença entre uma briga e uma agressão pura e simples, para concluir que no caso em apreço mais parecia ter havido uma agressão de um deputado a outro, na medida em que tudo levava a crer ter havido um único murro. Porém, tão bem aplicado e com tanta ciência, que não houve mais nada a fazer senão conduzir o espancado ao hospital para os devidos curativos. E para comprovar a veracidade do incidente mostrou, junto a uma parede, uma mancha de sangue que por sinal mais fazia lembrar o local onde uma galinha poderia ter sido decapitada.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Desta vez Trump tem razão

A construção de uma Europa unida como espaço de paz, liberdade, justiça e prosperidade sustentável foi o maior projeto político da geração a que pertenço. É impossível não confessar a imensa tristeza que me invade ao observar mês após mês, ano após ano, como se caminha para aquele grau de exaustão e fadiga que faz pressentir a dissolução final. O que une, hoje, a Europa é a mais elementar pulsão de vida, o instinto de autossobrevivência. Não dos seus governantes, mas dos seus mais humildes cidadãos. O tumultuoso Brexit mostra bem como é difícil, mesmo para um grande país com soberania monetária, descoser as malhas urdidas ao longo de tantas décadas. Agora imagine-se a tragédia que seria o colapso da união monetária para os 19 países que dela participam. A zona euro sofreria um empobrecimento e uma destruição de riqueza exponenciais, como se uma guerra invisível, sem mortos nem ruínas, nos tivesse atingido. Estamos nisto há dez anos. Os atos políticos levados a cabo desde 2008, nada mudaram na gravidade dos problemas, apenas adiaram o desfecho previsível. Existe uma alternativa minimalista ao colapso. Implicaria uma negociação realista baseada nos interesses materiais concretos dos Estados, como aqueles casais que coabitam, mesmo depois do divórcio, para nenhum deles ter de ir morar na rua. A prioridade seria uma mudança das regras absurdas do tratado orçamental, que transformam, por exemplo, os 2,8% da derrapagem orçamental francesa prevista para 2019 numa coisa esplêndida, e os 2,4% solicitados pelo governo de Roma num pecado mortal! Contudo, os mesmos patéticos dirigentes políticos dos grandes países europeus que economizaram nos atos potencialmente redentores do projeto europeu, não nos poupam à sua retórica. A evocação do primeiro centenário do fim da I Guerra Mundial ultrapassou os limites do aceitável.